Pelo menos 19 morrem no Iêmen em mais um dia de violência

Segundo líder tribal, cidade de Taiz foi tomada por opositores após confronto

Agência Estado e Efe

07 de junho de 2011 | 09h01

SANAA - Um total de 19 pessoas, entre elas três crianças, morreram durante confrontos em duas províncias iemenitas, afirmaram nesta terça-feira, 7, funcionários militares e médicos. Segundo as fontes, dezenas de homens armados atacaram um posto militar, na noite de ontem, na província de Abyan, no sul do país. No tiroteio morreram nove soldados e seis dos agressores.

 

 

Veja também:

blog Depois de Saleh, Iêmen terá caos, não democracia

link Oposição aceita transferência de poder a vice no Iêmen

especialA revolução que abalou o Oriente Médio

 

 

Em Taez, a segunda maior cidade do Iêmen, os enfrentamentos começaram hoje, entre pessoas armadas e tropas, perto de um palácio presidencial. Não se sabe ainda se houve mortos nesse incidente, mas ocorreram disparos de um tanque de guerra em uma zona residencial próxima, que mataram quatro pessoas, entre elas três crianças. Os funcionários pediram anonimato.

 

Um líder tribal disse hoje que os opositores do presidente Ali Abdullah Saleh conseguiram tomar o controle da maior parte da cidade de Taez, após confrontos com tropas oficiais.

 

Al-Qaeda

 

Pelo menos sete soldados e seis supostos integrantes da organização terrorista Al Qaeda morreram na segunda-feira em um violento enfrentamento na cidade de Zinyibar, capital da província meridional de Abyan, informaram fontes médicas.

 

O posto militar atacado estaria sob controle de militantes da Al-Qaeda desde 29 de maio, segundo as fontes.

 

Fontes de um hospital na cidade de Aden, no sul do país, asseguraram que 12 soldados ficaram feridos nos choques com os homens armados, depois que forças do Exército lançaram uma ofensiva para tentar recuperar o controle desta cidade.

 

Além disso, fontes do hospital Al Razi, na localidade de Yaar, na província de Abyan, indicaram que dez combatentes da Al Qaeda foram hospitalizados.

 

Fronteira

 

Ainda nesta terça, dois guardas de fronteira sauditas foram mortos a tiros por um homem que tentou deixar a Arábia Saudita e seguir para o Iêmen, segundo um porta-voz do Ministério do Interior. O general Mansur al-Turki disse que um coronel e um sargento foram mortos, enquanto outro sargento foi ferido por um cidadão saudita que tentava chegar ao território iemenita no início do dia.

 

O porta-voz disse que as forças de segurança seguiram o homem, que tinha grande quantidade de munição, e o mataram em um tiroteio. A área fronteiriça é frequentada por narcotraficantes. Também existe a suspeita de que a região seja ponto de passagem para militantes da Al-Qaeda que se reagruparam no Iêmen.

 

Os Estados Unidos e a Arábia Saudita pressionam por uma transição política e pela renúncia de Saleh. O presidente iemenita está na Arábia Saudita, após ser ferido em um ataque com foguetes na semana passada, e autoridades temem que seu retorno cause mais enfrentamentos entre as forças oficiais e grupos dispostos a derrubá-lo.

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmenprotestosviolênciamortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.