Pelo menos 22 sobrevivem à queda de avião no Benin

Pelo menos 22 passageiros do Boeing 727 da empresa libanesa United Transit Airlines, sobreviveram hoje à queda da aeronave, segundo informou o Ministério da Saúde de Benin (pequeno país africano do Golfo da Guiné). Ele caiu minutos depois de ter deixado o aeroporto de Cotonu, capital comercial de Benin, com destino a Beirute, no Líbano, matando mais de 90 de seus 200 passageiros, na grande maioria libaneses, e tripulantes.O avião caiu no início da tarde, disse o chefe de segurança do aeroporto, Jerome Dandjinou. Ele fazia o Vôo 141, procedente de Conacri, capital da Nova Guiné. Na escala em Cotonu, recolheu 60 libaneses que pretendiam passar as festas de fim de ano em companhia de parentes em Beirute. A colônia libanesa em Benin e outros países africanos da região é muito grande.Segundo uma testemunha, o Boeing bateu num edifício localizado pouco depois fim da pista do aeroporto, explodiu e caiu no mar - a cerca de 150 metros da praia. "O avião não conseguia ganhar altitude, tinha muita dificuldade", acrescentou a testemunha. "Foi uma tragédia horrível, inimaginável."As causas são desconhecidas.Funcionários da Cruz Vermelha queixaram-se da precariedade dos serviços de resgate das vítimas, mesmo com a ajuda de unidades do Exército de Benin."O cenário é dantesco", ressaltou Lahaby Soglo, vice-prefeito de Cotonu. "Há dezenas de corpos, muitos deles mutilados, boiando na água", acrescentou. Um socorrista da Cruz Vermelha contou 30 cadáveres resgatados e colocados lado a lado na areia da praia. "Retiramos dos escombros pelo menos uma dezena de sobreviventes."Imagens tomadas pela televisão de Cotonu mostravam a todo instante destroços da aeronave sendo levados pelas ondas: o trem de aterrissagem, a cabine e a parte posterior da fuselagem, com o motor, cabos e tubos de metal retorcidos.Os trabalhos de socorro eram acompanhados pessoalmente pelo presidente do Benin, Mathieu Kereku, e seus ministros da Defesa, Interior e Transporte. Entre os sobreviventes, muitos sofreram ferimentos e estão hospitalizados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.