Pelo menos 31 presumidos mortos após erupção de vulcão no Japão

Trinta e uma pessoas foram supostamente mortas perto do pico do vulcão japonês que entrou inesperadamente em erupção no sábado, quando estava cheio de caminhantes admirando a vegetação de outono, provocando uma imensa nuvem de cinzas e derrubando pedras ao longo das encostas.

REUTERS

28 de setembro de 2014 | 09h52

A polícia disse que 31 pessoas foram encontradas com paradas "cardiopulmonares" mas recusou-se a confirmar suas mortes antes de um exame formal, conforme o costume japonês. Uma autoridade na área disse que os esforços de resgate foram suspensos devido aos crescentes níveis de gás tóxico perto do pico, além da aproximação da noite.

Centenas de pessoas, incluindo crianças, foram presas na montanha, que é um destino popular, após o vulcão entrar em erupção sem aviso no sábado, derrubando cinzas pela encosta por mais de 3 quilômetros.

A maioria conseguiu descer mais tarde no sábado, mas cerca de 40 passaram a noite perto do pico de 3.067 metros de altura. Alguns se enrolaram em cobertores e se reuniram no porão de construções.

"O telhado do abrigo foi destruído por pedras, então tivemos de nos refugiar embaixo da construção", disse um deles ao canal de televisão NHK.

Mais de 40 pessoas foram feridas, várias com fraturas ósseas.

(Reportagem de Elaine Lies)

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAOMORTOSERUPCAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.