Pelo menos 48 pessoas são mortas em confrontos no Quênia

Esse é o pior ataque desde violência após as eleições de quatro anos atrás no país

AE, Agência Estado

22 de agosto de 2012 | 10h05

NAIRÓBI - Pelo menos 48 quenianos foram mortos em confronto entre dois grupos étnicos rivais, disse a polícia nesta quarta-feira, 22, no pior ataque desde a violência que aconteceu após as eleições de quatro anos atrás. Os mortos são 31 mulheres, 11 crianças e seis homens, afirmaram autoridades.

Veja também:

linkTribunal Internacional acusa ministros quenianos por violência pós-eleitoral

linkExército do Quênia diz que está 'destruindo' milícia somali

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

O conflito começou na noite de terça-feira entre os povos Pokomo e Orma no distrito de Tana River, afirmou o vice-chefe de polícia da região, Joseph Kitur. Algumas vítimas morreram quando suas cabanas foram incendiadas, outras esfaqueadas.

Não está claro o que causou a violência, mas as duas comunidades costumam se enfrentar por causa do uso de terra e água na região remota do Quênia. Os Pokomo são principalmente fazendeiros e os Orma geralmente criam gado. "Brigas por pasto são recorrentes na região", disse o porta-voz da polícia, Eric Kiraithe.

As informações são da Dow Jones.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Quêniaviolênciamortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.