Pelo menos 56 iraquianos morrem durante atentados

Pelo menos 56 iraquianos foram mortos nesta quinta-feira devido à violência sectária, incluindo um carro-bomba que matou 25 pessoas no terceiro grande ataque à quartéis generais da polícia em três dias. O carro-bomba explodiu na entrada de uma unidade do Ministério do Interior no centro de Bagdá, matando 10 civis e 15 policiais, disseram autoridades. O Ministério do Interior é predominantemente xiita e têm vários colaboradores de milícias xiitas. A unidade atacada nesta quinta-feira é responsável por investigar crimes de grande escala, e tem cerca de 20 suspeitos de ataques terroristas sob custódia, disse o tenente coronel Falah al-Mohammadawi. Os insurgentes se encorajaram a fazer ataques desse tipo devido a um outro ataque que conseguiu libertar mais de 30 presos de uma penitenciária ao norte de Bagdá, na última terça-feira. Um segundo carro-bomba atingiu uma área de comércio ao lado de uma mesquita xiita no bairro de Shurta, no sudoeste de Bagdá. Pelo menos seis pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas, a maioria eram crianças, informou a polícia. Em Bagdá, explosivos colocados à beira de estradas mirando patrulhas policiais mataram quatro pessoas, dois policiais e dois civis. A 50 km ao sul da capital, em Iskandariyah, outro policial foi morto. A polícia disse que dezenas ficaram feridos durante os ataques. Outros dois policiais foram mortos e dois feridos quando homens armados emboscaram seu comboio no norte de Bagdá. Autoridades especulam que o ataque era uma tentativa falha de libertar presos que estavam sendo transferidos para a cidade de Mosul. Em outra localidade da capital iraquiana, dois policiais foram mortos em tiroteios contra insurgentes. Dois civis foram baleados e mortos. Em Bagdá um morteiro atingiu uma casa, ferindo três civis, disse o tenente de polícia Ziad Hassam. Outro civil foi seriamente ferido enquanto uma patrulha iraquiana atirava para o alto para liberar o trafego, informou a polícia. Um ataque a uma prisão em Madain, na última quarta-feira, começou quando 60 rebeldes dispararam cerca de 10 morteiros contra o centro de detenção. Quatro policiais fora mortos durante a batalha de duas horas, que só acabou quando as forças de seguranças americanas chegaram. Em torno de 50 rebeldes foram detidos. Violência sectária Foram encontrados mais 14 corpos vitimas da onda de violência sectária que atinge o Iraque desde que uma mesquita em Samarra foi destruída por ataques terroristas. A polícia iraquiana tem encontrado milhares de corpos nas últimas quatro semanas, vitimas de militantes religiosos. Pelo menos outros 21 corpos foram encontrados na última quarta-feira. Destes, 16 eram xiitas estrangeiros que foram achados em uma estrada de Bagdá. Enquanto isso, na cidade de Beiji, um morteiro acertou um complexo governamental que recebia a visita do representante do primeiro-ministro, Ahmed Chalabi, mas este não ficou ferido e logo após retornou a Bagdá, disse um assistente, mas não revelou sua identidade para conservar sua segurança.

Agencia Estado,

23 Março 2006 | 16h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.