Reprodução/www.leggo.it
Reprodução/www.leggo.it

Pelo menos três pessoas morreram em naufrágio no Mediterrâneo

Ao menos 46 brasileiros estavam a bordo; navio de cruzeiro levava mais de 4 mil passageiros

EFE,

13 de janeiro de 2012 | 23h07

atualizado às 11h32

Ao  menos três pessoas morreram e dezenas ficaram feridas no naufrágio de um navio que levava mais de 4.000 passageiros na noite desta sexta-feira, 13, na costa da Itália, segundo informações das agências de notícias. O incidente aconteceu nas proximidades da ilha italiana de Giglio, em águas da região da Toscana, informaram diversos meios da imprensa italiana. Mas, segundo a imprensa local, o número de mortos pode chegar a oito.

 

Ao menos 46 brasileiros estavam a bordo, informou na manhã deste sábado, 14, a companhia dona da embarcação, a Costa Cruzeiros. O Itamaraty também confirmou a presença de brasileiros. A assessoria de imprensa do Ministério das Relações Exteriores relatou que alguns turistas resgatados entraram em contato com o consulado brasileiro em Milão, mas não há, até agora, nenhuma informação sobre feridos ou desaparecidos no acidente. Segundo o Itamaraty, caso um cidadão fosse vítima, o procedimento normal seria que autoridades italianas contatassem o governo brasileiro para informar sobre o caso, o que não ocorreu.

 

O "Costa Concordia" se dirigia do porto de Civitavecchia ao nortista de Savona, ambos na Itália.

O cruzeiro de luxo levava 4.200 pessoas segundo a operadora Costa Cruises, sendo 3.200 passageiros e 1 mil tripulantes, e encalhou perto da Toscana. Não há ainda informações sobre a causa do acidente.

Cenas do Titanic foram revividas a bordo do navio. A embarcação fazia um cruzeiro pelo Mediterrâneo, que saiu da cidade costeira italiana de Savona, com escalas previstas em Civitavecchia, Palermo, Cagliari, Palma de Mallorca, Barcelona e Marsella, segundo nota da companhia de navegação. A bordo viajavam cerca de mil passageiros de nacionalidade italiana, outros 500 alemães e cerca de 160 franceses, além de cerca de mil pessoas da tripulação e passageiros de outras nacionalidades.

Duas horas após zarpar de Civitavecchia, às 21h30 (hora local), quando o barco estava nas cercanias da ilha de Giglio e a maioria dos passageiros jantava, a luz foi cortada e se sentiu um golpe e um grande estrondo, relataram depois os náufragos à imprensa italiana. Apesar de os passageiros terem sido avisados pelo capitão de que se tratava de um problema elétrico, eles perceberam que o navio estava inclinando e pouco depois foram convidados a vestir seus coletes salva-vidas e a se dirigir às lanchas de emergência. A ilha de Giglio é pequena demais para hospedar todos e a empresa responsável pelo navio iniciou um plano para transportá-los ao elegante porto de Santo Stefano.

 

 A companhia Costa Crociere, proprietária do navio Costa Concordi, afirmou que ainda "não é possível definir a causa do problema ocorrido". (Com ifnformações da Efe)

Tudo o que sabemos sobre:
cruzeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.