Samuel Corum/Getty Images/AFP
Samuel Corum/Getty Images/AFP

Pelosi diz que democratas estão prontos para novo impeachment se gabinete não remover Trump

Presidente da Câmara dos Deputados pediu que vice-presidente Mike Pence invoque a 25ª Emenda

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2021 | 16h59

Os principais democratas no Congresso pediram nesta quinta-feira, 7, a remoção imediata de Trump da presidência após o republicano ter incitado a multidão violenta que tomou conta do Capitólio na quarta-feira, interrompendo a ratificação da vitória eleitoral do presidente eleito Joe Biden.

A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, e o senador Chuck Schumer, de Nova York, apelaram ao vice-presidente Mike Pence para invocar a 25ª Emenda, que permite que ele e o gabinete tirem o poder de Trump.

Se Pence se recusar a agir, disseram Pelosi e Schumer, os democratas estão preparados para acusar Trump pela segunda vez.

“Embora faltem apenas 13 dias (para o fim do mandato de Trump), qualquer dia pode ser um show de terror para a América”, disse Pelosi, chamando as ações de Trump na quarta-feira de um “ato sedicioso”.

Em uma entrevista coletiva no Capitólio, Pelosi destacou os membros do gabinete presidencial pelo nome, perguntando por que eles não intervieram. Ela disse esperar uma resposta de Pence em um dia.

Não se sabe se os democratas teriam tempo hábil para o pedido de impeachment, e não há precedente claro para colocar um ex-líder em julgamento no Senado. 

Um coro crescente de democratas e republicanos afirma que a permanência de Trump no cargo é perigosa, e que os eventos históricos de quarta-feira podem ter consequências.

O deputado Adam Kinzinger, republicano de Illinois, fez um apelo semelhante na quinta-feira, postando no Twitter que o presidente havia se tornado "livre não apenas de seu dever ou juramento, mas da própria realidade".

Sua declaração seguiu outras semelhantes feitas pelos deputados Charlie Crist e Ted Lieu na quarta-feira. Dezessete membros democratas do Comitê Judiciário da Câmara enviaram uma carta a Pence pedindo a invocação da 25ª Emenda.

Na manhã de quinta-feira, um escritório de advocacia com sede em Washington, Crowell & Moring, que representa várias empresas Fortune 500, acrescentou sua voz ao coro crescente de líderes cívicos e empresariais que pedem a remoção do presidente. Ao solicitar a adesão de outros advogados, o escritório disse que “quando se trata de defender nossa Constituição e nosso sistema de leis, temos um dever especial e uma perspectiva excepcional”.

Um grupo bipartidário de mais de duas dúzias de advogados, incluindo um ex-alto funcionário do governo Trump, também pediu na quinta-feira que Trump fosse destituído do cargo.

“Ambos os remédios constitucionais são necessários e apropriados para responsabilizar Trump e proteger a nação”, disse o grupo. “Esses processos devem ser realizados imediatamente, a menos que ele renuncie primeiro.”

O grupo incluiu muitos advogados conservadores, incluindo o ex-conselheiro geral do Departamento de Segurança Interna, John Mitnick; e o ardente crítico de Trump, George Conway, marido da ex-conselheira de Trump, Kellyanne Conway. Também fazia parte do grupo o professor liberal da Harvard Law School Laurence H. Tribe. /NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.