YURI CORTEZ/AFP PHOTO
YURI CORTEZ/AFP PHOTO

Peña Nieto sai com aprovação de 20%

O peso vem perdendo valor, a inflação está em alta, os índices de violência são alarmantes e os os cartéis estão mais atuantes do que nunca

Cristiano Dias, ENVIADO ESPECIAL / CIDADE DO MÉXICO, O Estado de S.Paulo

01 Julho 2018 | 21h45

O desafio do próximo presidente do México é gigantesco. O legado deixado pelo presidente Enrique Peña Nieto, do Partido Revolucionário Institucional (PRI) reflete uma aprovação que oscila em 20% – pior do que a de Nicolás Maduro, na Venezuela.

A economia mexicana dá sinais de esgotamento. O peso vem perdendo valor, a inflação está em alta e a desigualdade está cada dia maior. Os índices de violência são alarmantes, os cartéis estão mais atuantes do que nunca e a percepção da população é a de que o país tem o governo mais corrupto do mundo.

A imagem de Peña Nieto também foi afetada por escândalos. A primeira-dama, a atriz Angélica Rivera, comprou uma mansão de US$ 7 milhões de um empreiteiro do governo. Emilio Lozoya, que ajudou a conduzir a campanha do presidente, recebeu US$ 10,5 milhões da Odebrecht, que teriam sido usados na eleição de 2012. 

+ Corrupção, economia e narcotráfico: veja os desafios do novo presidente do México

Externamente, o próximo presidente terá de lidar com um presidente americano hostil, que pretende construir um muro na fronteira, deportar o máximo de imigrantes que conseguir e torpedear o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta). O fato de o México ser economicamente dependente dos EUA diminui seu poder de barganha. 

As únicas cartas que o governo mexicano tem são a cooperação contra o narcotráfico e o esforço para deter a imigração ilegal. Mas nem isso Peña Nieto utilizou. Em vários momentos, ele foi acusado de não defender os mexicanos, chamados de “estupradores” e “narcotraficantes” pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

“O grande risco que corre o próximo presidente é a frustração da população. Os candidatos aumentaram demais as expectativas. Prometeram resolver todos os problemas do México. Como a realidade é mais difícil, quem vencer pode ter problemas em breve”, disse Mariana Campos, coordenadora do programa de gastos públicos do centro de estudos México Evalúa. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.