EFE/ Ariel Schalit
EFE/ Ariel Schalit

Em visita a Israel, Pence diz que embaixada dos EUA em Jerusalém abrirá em 2019

Em encontro com premiê Binyamin Netanyahu, vice-presidente americano ressaltou que é uma honra estar 'na capital de Israel, Jerusalém'; palestinos insistem que Washington não pode ser mediador do conflito após o anúncio feito em dezembro

O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2018 | 11h00
Atualizado 22 Janeiro 2018 | 11h35

JERUSALÉM - O vice-presidente americano, Mike Pence, disse nesta segunda-feira, 22, que os EUA abrirão sua embaixada em Jerusalém em 2019, antes do que estava previsto. Em um discurso feito no Parlamento de Israel, o republicano defendeu a polêmica decisão de reconhecer a cidade como capital do país, anúncio que tem sido condenado por palestinos e aliados árabes.

+ Árabes boicotarão discurso de Pence no Parlamento de Israel

Pence afirmou que o governo do presidente Donald Trump avançará com seu plano nas próximas semanas e a embaixada abrirá no fim de 2019. A estimativa anterior indicava que a mudança levaria três ou quarto anos.

+ 1 ano da presidência Trump: as turbulências na política externa

Os palestinos defendem que a parte leste de Jerusalém, anexada pelos israelenses, é a sua capital. Eles também insistem que Washington já não pode ser um mediador do conflito após o anúncio feito em dezembro.

Pence iniciou sua visita a Israel com uma reunião com o primeiro-ministro, Binyamin Netanyahu, na qual o republicano afirmou que é uma honra estar “na capital de Israel, Jerusalém”.

Netanyahu disse a Pence que esta é a primeira vez que um dignitário em visita ao país conseguiu pronunciar essas três palavras junto ao premiê, e agradeceu o vice-presidente pelo reconhecimento "histórico" de Jerusalém por Trump.

Após a cerimônia de recepção com a Guarda de Honra do Exército, os dois líderes se reuniram em particular. "Desejo conversar para continuar fortalecendo a maravilhosa aliança entre nós, que nunca foi tão forte, e para avançar no processo de paz e segurança na nossa região, que é nosso objetivo comum", destacou Netanyahu antes da reunião.

O vice-presidente afirmou que estava grato em poder representar Trump e a decisão dele “criaria uma oportunidade para avançar de boa fé com as negociações entre Israel e a Autoridade Palestina”.

Ele também ressaltou que tem esperança que “estamos perto de chegar a uma nova era de discussões renovadas para alcançar uma resolução pacífica para um conflito que já dura décadas”.

Os palestinos, que na véspera queimaram imagens de Pence na cidade de Belém, na Cisjordânia, convocaram para terça-feira uma greve geral em rejeição à visita do americano. / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.