Darron Cummings/AP
Darron Cummings/AP

Pence pede à América Latina que faça mais pela democracia na Venezuela

Vice americano conclui visita à região, que o levou à Colômbia, Argentina, Chile e Panamá, em esforço de acalmar preocupações após declaração de Trump sobre opção militar para crise na Venezuela

O Estado de S.Paulo

21 Agosto 2017 | 11h33

CIDADE DO PANAMÁ  - O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, pediu nesta quinta-feira,21, aos governos da América Latina que "façam mais" para "recuperar a democracia" na Venezuela. Pence chegou nesta quinta-feira ao Panamá, na última escala de sua viagem pela América Latina, que o levou também à Colômbia, Argentina e Chile.

"O presidente (Donald) Trump e eu pedimos à América Latina que faça mais" pela Venezuela, que está "se tornando uma ditadura", e os venezuelanos "estão sofrendo e morrendo", disse Pence em um discurso durante visita ao Canal de Panamá. "Os Estados Unidos não vão ficar quietos enquanto a Venezuela está se destruindo e posso lhes assegurar que vamos seguir ao lado das nações livres de toda a região até que se restaure a democracia em benefício dos venezuelanos".

"Temos muitas opções para a Venezuela, mas o presidente Trump e eu confiamos em trabalhar juntos com nossos aliados na América Latina e vamos conseguir uma solução pacífica para a crise que os venezuelanos enfrentam neste momento".

Pence pediu à América Latina que tenha "confiança em que os Estados Unidos vão seguir impondo sanções políticas e econômicas até que se restaure a democracia na Venezuela". De acordo com Pence, um "Estado falido como a Venezuela" vai criar "mais narcotráfico" e "imigração ilegal".

O vice dos EUA também pediu aos países da região que participem da coalizão internacional contra o grupo Estado Islâmico. "O presidente (Donald) Trump e eu estamos realmente muito agradecidos pela participação do Panamá na coalizão mundial para vencer o Estado Islâmico", mas hoje "é o único país latino-americano nesta coalizão e exortamos nossos parceiros na América Latina a seguir seu exemplo".

O Panamá colabora com a coalizão internacional contra o Estado Islâmico facilitando, principalmente,  informação financeira para evitar que grupos terroristas utilizem o sistema bancário para lavar dinheiro e financiar suas atividades.  Pence destacou que o ataque terrorista desta quinta-feira em Barcelona "demonstra que o terrorismo islâmico é um dos grandes perigos que enfrentamos".

"Estados Unidos e seus aliados vão encontrar e castigar os responsáveis e apagar o Estado Islâmico da face da terra".

Pence exaltou no Panamá o seu chefe, o presidente Donald Trump, que chamou de homem de visão e otimismo sem limites. "Com Donald Trump os Estados Unidos têm novamente um presidente cuja visão, energia e espírito empreendedor recorda o presidente Teddy Roosevelt" (1901-1909). "Agora, como naquele momento, temos um construtor de otimismo sem limites que busca iniciar uma nova era de prosperidade compartilhada". /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.