Alex Brandon/Pool via Reuters
Alex Brandon/Pool via Reuters

'Pensamento neanderthal', diz Biden sobre governadores que relaxaram restrições contra covid

Presidente pediu aos americanos que permaneçam vigilantes na luta contra o coronavírus à medida que a campanha de vacinação dos EUA avança 

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2021 | 20h05

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, criticou nesta quarta-feira, 3, os governadores do Texas e de Mississippi por relaxarem as restrições contra a covid-19, descrevendo as ações deles como “pensamento neandertal” e insistindo que foi um “grande erro” as pessoas pararem de usar máscaras. 

O presidente, que pediu aos americanos que permaneçam vigilantes na luta contra o coronavírus, disse que é fundamental que os funcionários públicos sigam as orientações dos médicos e dos trabalhadores da área de saúde à medida que a campanha de vacinação dos EUA avança. 

“A última coisa que precisamos é um Neandertal pensando que, enquanto isso, está tudo bem, tire a máscara e esqueça”, disse Biden a jornalistas na Casa Branca. “É fundamental, crítico, que sigam a ciência. Lave as mãos com água quente. Faça isso com frequência, use uma máscara e mantenha-se socialmente distanciado. E eu sei que todos vocês sabem disso. Eu gostaria que alguns de nossos funcionários eleitos soubessem disso”, declarou. 

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, criticou a forma como o governo anterior, liderado por Donald Trump, combateu o coronavírus. "O país inteiro paga o preço por líderes políticos que ignoraram a ciência quando se trata da pandemia", afirmou ao ser perguntada sobre a situação de Texas e Mississippi.

Os governadores desses dois Estados justificaram a decisão de suspender a obrigatoriedade do uso de proteção facial pela queda no número de casos e internações por covid-19 e pelo ritmo das vacinações contra a doença, que eles consideram bom. / NYT e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.