Andrew Harnik/AP
Andrew Harnik/AP

Pensilvânia certifica resultados eleitorais com vitória de Biden

Certificação formaliza vitória do democrata apesar dos esforços do presidente Trump em questionar os resultados na Justiça; na segunda, Estado do Michigan formalizou resultado favorável a Biden

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2020 | 14h01

WASHINGTON - O governador da Pensilvânia, Tom Wolf, anunciou nesta terça-feira, 24, que o Estado certificou o resultado das eleições presidenciais de 3 de novembro em favor do democrata Joe Biden, que levará os 20 delegados do colégio eleitoral.

“De acordo com o que é exigido por lei, assinei a certificação para a nomeação dos eleitores (delegados do Colégio Eleitoral) para Joe Biden e Kamala Harris", escreveu o governador no Twitter.

A notícia encerra várias semanas de alegações infundadas de fraude pelo presidente Donald Trump no Estado e também várias tentativas malsucedidas na Justiça para tentar impedir a certificação do resultado.

Na segunda, o conselho eleitoral estadual de Michigan certificou o resultado final da eleição presidencial dando a vitória oficial a Biden, que deve ficar com os 16 votos do Estado no colégio eleitoral. Conselheiros do Estado foram pressionados pelo presidente Trump a atrasar a certificação. Sem provas, o republicano alegou fraude na votação. 

Transição

A equipe do presidente eleito começou a interagir com os colegas do governo atual para iniciar o processo de transição, depois que o governo Trump abriu formalmente o caminho na segunda-feira para uma transferência ordenada de poder. A confirmação ocorreu depois de um atraso de mais de duas semanas após a vitória de Biden na eleição, faltando apenas 57 dias para sua posse.

Biden disse que o atraso na transição ameaçou a segurança nacional ao privar sua equipe de instruções críticas e alertou que a distribuição de vacinas para combater o coronavírus estaria em risco se seus conselheiros não pudessem trabalhar lado a lado com as autoridades de saúde atuais. / EFE e NTY 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.