AFP PHOTO / SAUL LOEB
AFP PHOTO / SAUL LOEB

Pentágono afirma que pode deter ataque de mísseis da Coreia do Norte

De acordo com Departamento de Defesa dos Estados Unidos, país dispõe de interceptador de mísseis capaz de detectar e destruir armamento semelhante ao testado por Pyongyang

O Estado de S.Paulo

05 Julho 2017 | 16h18
Atualizado 05 Julho 2017 | 16h40

WASHINGTON - O Pentágono acredita que pode defender os Estados Unidos de um míssil lançado pela Coreia do Norte, afirmou um porta-voz nesta quarta-feira, 5, depois do primeiro teste bem sucedido de um míssil balístico intercontinental por parte de Pyongyang.

Apesar de inicialmente o Pentágono afirmar que o míssil norte-coreano tinha um alcance médio, análises posteriores demonstraram que sua capacidade provavelmente excedia os 5.500 km, o que bastaria para alcançar o Estado do Alasca e por isso mudou sua denominação para míssil balístico intercontinental.

Em maio, o Exército dos Estados Unidos lançou um interceptador de mísseis disparados da base aérea de Vandenberg, na Califórnia, que pela primeira vez interceptou de maneira bem sucedida um alvo semelhante a um míssil intercontinental.

"Temos confiança em nossa capacidade de nos defender contra esta ameaça limitada", afirmou o capitão de navio Jeff Davis, referindo-se ao sistema de defesa de mísseis.

Davis condenou este último teste da Coreia do Norte por colocar em perigo não apenas o trânsito aéreo e fluvial como também os satélites, apesar de assegurar que não foram reportados danos pelo lançamento desse míssil.

Também assegurou que a Coreia do Norte ainda está longe de desenvolver um tipo de míssil com ogiva nuclear. O porta-voz do Pentágono afirmou ainda que o míssil testado por Pyongyang é de um tipo "nunca antes visto".

Funcionários americanos indicaram à "CNN" que o projétil tem componentes similares a um míssil KN-17, testado pela primeira vez pelo regime norte-coreano em abril deste ano. A Coreia do Norte teria acrescentado uma segunda fase, não vista até agora, o que teria contribuído para que o míssil chegue a distâncias mais amplas e possa ser considerado intercontinental.

Através da agência de notícias estatais "KCNA", a Coreia do Norte afirmou que o lançamento foi um sucesso e que o míssil foi batizado como Hwasong-14. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.