Pentágono confirma novos seqüestros em massa no Iraque

O Pentágono confirmou que um comboio de civis foi seqüestrado nesta quinta-feira em Nassíria, distrito sunita em Bagdá. Durante a manhã, lideranças xiitas pediam ao Ministério de Interior a prisão de lideranças da minoria sunita. Com a manutenção dos seqüestros em massa, a expectativa é de que a violência sectária se amplie na região. O porta-voz do Pentágono, Bryan Whitman, disse que relatórios das Forças Armadas dos EUA sugerem que pelos menos 14 pessoas foram capturadas e que o comboio interceptado tinha 19 veículos. Há a suspeita de que quatro das pessoas apanhadas sejam norte-americanas. Os relatórios ainda estão sendo checados pelos militares norte-americanos, responsáveis pela operação de ocupação no Iraque. De acordo com um oficial americano que pediu anonimato por conta da situação de segurança no Iraque, pessoas que faziam parte do comboio capturado foram libertadas e serão ouvidas pelos militares. A polícia iraquiana suspeita que os seqüestros aconteceram em um perímetro onde não existem bloqueios de segurança. O ministro de Interior Jawad al-Bolani, que é xiita, anunciou em um canal de TV estatal que o líder da minoria sunita Harith al-Dhari é procurado por incitar o terrorismo e a violência entre os iraquianos. A confirmação dos seqüestros vem à tona no momento em que membros do governo discutem entre si se os funcionários do Ministério do Ensino Superior seqüestrados na terça-feira sofreram tortura. Em outros episódios de violência que demonstram a falta de controle do governo e das forças americanas no Iraque, 15 pessoas foram levadas do centro da cidade no noite desta quinta-feira. Outros nove foram fuzilados em uma padaria. A última abdução em massa aconteceu à luz do dia no distrito sunita de Adil, na ala oeste de Bagdá. Segundo a polícia, os extremistas sunitas estão agora atacando passageiros de miniônibus e vans que levam passageiros para áreas xiitas próximas, como o bairro de Kadhimiya. "Não sabemos ao certo quantas pessoas foram levadas", disse uma fonte da polícia à Reuters, mais cedo. Segundo um oficial, o episódio pode ser uma reprise do ataque à sede do Ministério de Ensino Superior da última terça-feira, quando dezenas de pessoas foram capturadas. As tensões entre sunitas e xiitas iraquianos, amplificados pelos ataques sectários e pelos recentes seqüestros, foram refletidas também dentro do governo. O ministro do Ensino Superior, que é de origem sunita, anunciou que irá boicotar o gabinete até que a ação da terça-feira seja esclarecida.

Agencia Estado,

17 Novembro 2006 | 02h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.