Pentágono investiga soldado por divulgação

Analista de inteligência, de 22 anos, teria se vangloriado por vazamento de[br]segredos militares

, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2010 | 00h00

WASHINGTON

O Departamento de Defesa dos EUA indicou ontem que não acredita que apenas uma pessoa esteja por trás do vazamento de mais de 92 mil documentos militares secretos americanos para o portal WikiLeaks. Mas o soldado Bradley Manning, de 22 anos, está entre os alvos do inquérito aberto pela Divisão de Investigação Criminal do Exército.

Segundo o secretário de imprensa do Pentágono, Geoff Morrell, Manning seria uma pessoa "interessada" nesse novo vazamento de informações. Ele trabalhava como analista do setor de inteligência e já estaria respondendo desde maio a uma acusação por colocar na internet informações secretas referentes a operações de guerra dos EUA.

O soldado foi acusado de ser o responsável pela divulgação, ao mesmo portal, de um vídeo que mostrou o ataque de um helicóptero Apache do Exército americano que matou 12 civis iraquianos e dois jornalistas da agência Reuters em Bagdá, há três anos. O vídeo foi exposto pelo WikiLeaks em abril.

Dois meses depois, Manning foi preso no Kuwait, graças à delação de um "amigo", a quem o soldado gabara-se de ter encaminhado ao WikiLeaks 260 mil mensagens diplomáticas dos EUA e um vídeo sobre um ataque aéreo americano que matou 97 civis no Afeganistão, em 2009.

Segundo o coronel da Marinha Dave Lapan, responsável pela investigação, o vazamento do material no último domingo é bem mais amplo e complexo que o caso original de Manning. "A atual investigação do vazamento dos documentos ao WikiLeaks não tem como foco uma pessoa, um indivíduo específico. É muito mais ampla. Eles vão ver tudo para determinar qual foi a fonte", afirmou.

Banco de dados. O status de analista do setor de inteligência daria a Manning amplo acesso a informações confidenciais. Embora a divisão do soldado estivesse no Iraque, ele tinha acesso a informações confidenciais sobre outros teatros de operação - incluindo o Afeganistão.

As informações às quais Manning conseguiu acesso estavam sob a guarda do Comando Central das Forças Armadas dos EUA, instituição que supervisiona tanto a guerra do Iraque quanto a do Afeganistão.

A equipe de investigação do Pentágono tenta agora entender como uma quantidade de informações tão grande foi obtida dos servidores sem que o ataque fosse detectado. / D. C. M.

Segredos revelados

Execuções sumárias

Documentos mostram que uma unidade militar especial foi criada para "capturar ou matar" líderes do Taleban sem julgamento

Mortes de civis

Há registros de 144 incidentes nos quais morreram 195 civis afegãos. Também há relatos de pelo menos um caso em que os americanos indenizaram famílias de vítimas: cerca de US$ 2 mil pelos mortos e US$ 400 pelos feridos

Aviões não-tripulados

É cada vez mais frequente o uso dos chamados drones, que

permitem aos militares dos EUA atacarem, por controle remoto, de uma base em Nebraska. Mas nem todas as ações são bem sucedidas

Jogo duplo paquistanês

Há fortes indícios de que o serviço secreto paquistanês tem colaborado com a

insurgência afegã, apesar de o Paquistão ser oficialmente aliado dos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.