CELLOU BINANI/AFP
CELLOU BINANI/AFP

Pentágono pode expandir seu apoio no combate ao ebola

Os norte-americanos estão considerando uma série de opções potenciais, incluindo o envio de mais médicos e especialistas de assistência à saúde

Estadão Conteúdo

12 de setembro de 2014 | 20h29

O Exército dos EUA está analisando um plano para expandir seu apoio aos países do Oeste da África afetados pela epidemia de ebola, informaram autoridades de defesa nesta sexta-feira. Os norte-americanos estão considerando uma série de opções potenciais, incluindo o envio de mais médicos e especialistas de assistência à saúde, o fornecimento de suprimentos hospitalares e a condução de treinamento para funcionários na Libéria e em outros países.

Os militares já enviaram oito médicos para a região onde o surto de ebola se propagou. O departamento também anunciou que vai enviar uma unidade hospitalar portátil com 25 camas à Libéria para ajudar no tratamento de funcionários da Saúde, mas não planeja usar seus funcionários para geri-la.

Uma autoridade disse que entre as opções consideradas, hospitais portáteis adicionais poderiam ser enviados, desta vez com médicos especialistas.

O secretário de imprensa do Pentágono, contra-almirante John Kirby, afirmou que o governo dos Estados Unidos vai continuar a ter seu papel na "tentativa de resolver a crise", acrescentando que o departamento de defesa discutia como poderia ajudar. "No Departamento de Defesa, o que fazemos melhor é responder ao chamado e fazer tudo o que pudermos, onde e quando pudermos, e fornecendo capacidades apropriadas", ele disse.

Autoridades de defesa dos EUA disseram que ainda não havia uma decisão final sobre quais aptidões serão usadas. Mas descartaram o envio de navios-hospitais ou navios anfíbios que geralmente são usados em crises humanitárias. Uma autoridade disse que se o vírus conseguir chegar a uma dessas embarcações, poderia se transmitir de forma muito rápida e seria difícil erradicá-lo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
EUAebolaPentágono

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.