Pentágono adia entrada de transgêneros nas Forças Armadas

Decisão veio à tona poucas horas antes da data limite estipulada pelo ex-presidente Barack Obama para o começo do recrutamento de transexuais

O Estado de S.Paulo

01 Julho 2017 | 04h12

WASHINGTON - O Pentágono anunciou na sexta-feira, 30, o adiamento por seis meses, até janeiro de 2018, o início do recrutamento de transexuais nas Forças Armadas dos Estados Unidos, informou em um comunicado uma porta-voz do Pentágono, Dana W. White.

Durante o período, serão revistos os planos de adesão dos transexuais e o possível "impacto" na preparação no "poder letal" das Forças Armadas. 

A decisão do secretário de Defesa James Mattis foi tomada poucas horas antes da data limite, 1º de julho de 2017, estipulada pelo governo do ex-presidente Barack Obama (2009-2017) para iniciar o recrutamento de transexuais para as tropas. 

O adiamento anunciado hoje não afeta os transexuais que já estão servindo. 

Em junho de 2016, o então secretário de Defesa Ashton Carter anunciou em uma coletiva de imprensa no Pentágono que as Forças Armadas estavam abertas, "com efeito imediato", aos transexuais. 

"A realidade é que temos transexuais servindo hoje em dia. Os americanos querem ajudar e a profissão deve estar aberta a todos. Devemos ter acesso a 100% da população", argumentou o então chefe do Pentágono. 

Alguns meses antes da coletiva de Carter, o Departamento de Defesa tinha anunciado a decisão de abrir todas as posições de combate para as mulheres, inclusive nos grupos de elite e entre os fuzileiros navais, unidades das quais estavam excluídas até então. 

O primeiro passo para o fim da discriminação por orientação sexual nas Forças Armadas dos EUA ocorreu em setembro de 2011, quando o Congresso revogou uma política implementada no governo do democrata Bill Clinton (1993-2001) que proibia o alistamento de indivíduos que "demonstrassem propensão e intenção de praticar atos homossexuais". / AFP

Mais conteúdo sobre:
Barack Obama Pentágono

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.