Arquivo/Reuters
Arquivo/Reuters

Pentágono publicará fotos de maus-tratos a presos no Iraque

Até sexta-feira, 198 das cerca de 2 mil imagens sobre a degradação no trato de prisioneiros na prisão de Abu Ghraib serão divulgadas no site da Lei americana de Liberdade de Informação

O Estado de S. Paulo

28 Janeiro 2016 | 15h31

WASHINGTON - Depois de 12 anos de batalha política e jurídica, o Pentágono finalmente publicará fotos inéditas de maus-tratos a detentos no Iraque e no Afeganistão nos anos 2000. A informação foi confirmada na quarta-feira por uma das principais ONGs de defesa dos direitos civis nos EUA.

De acordo com a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU, na sigla em inglês), 198 imagens devem ser publicadas pelo Pentágono até sexta-feira, no site http://www.dod.mil/pubs/foi/.

Algumas delas podem estar relacionadas à prisão de Abu Ghraib. Fotos de maus-tratos cometidos por soldados americanos nesta instituição iraquiana já chocaram o mundo.

Desde 2004, por meio da Lei americana de Liberdade de Informação (FOIA, na sigla em inglês), a ACLU reivindica na Justiça a publicação de 2 mil fotos sobre a degradação no trato de prisioneiros.

O pedido da ACLU foi respondido de forma negativa por vários secretários da Defesa, com a alegação de que o impacto dessas fotos poderia fomentar o ódio contra os soldados americanos.

Em 2009, o Congresso aprovou uma lei que permite ao secretário da Defesa bloquear a distribuição deste material, se considerar que ameaça a segurança dos americanos.

Em novembro do ano passado, porém, o atual secretário da pasta, Ashton Carter, decidiu suspender o veto sobre 198 dessas imagens.

"Não sabemos o que mostram, mas deve ser algo relativamente moderado, já que o governo aceitou torná-las públicas", comentou o porta-voz da ACLU, Josh Bell. "Continuaremos o processo judicial para obter a publicação das fotos restantes", garantiu. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Pentágono Iraque Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.