Courtesy @astro_ricky/NASA/Handout via REUTERS
Courtesy @astro_ricky/NASA/Handout via REUTERS

Pentágono retira frota de Pearl Harbor após furacão se aproximar do Havaí

Navios deixarão a base militar e aviões e submarinos serão movidos para locais seguros; frota, no entanto, não se afastará do arquipélago e permanecerá em alerta para auxiliar o governo local se houver situações de emergência

O Estado de S.Paulo

23 Agosto 2018 | 03h26

WASHINGTON - O Departamento de Defesa dos Estados Unidos determinou nesta quarta-feira, 22, a retirada da frota enviada à base militar de Pearl Harbor, no Havaí, devido à chegada do furacão Lane, que caiu para a categoria quatro, de cinco, na escala Saffir-Simpson. 

"Baseado na atual trajetória da tempestade, tomamos a decisão de ordenar a saída de nossos navios na base em Pearl Harbor. Desta forma, os navios terão tempo suficiente para se afastar de forma segura do caminho da tempestade", afirmou o contra-almirante Brian Fort em comunicado divulgado pelo Pentágono.

A ordem afeta todos os navios e submarinos da Marinha americana que não estejam passando por manutenção. Aviões que estejam na base serão colocados em hangares ou serão levados a locais seguros para evitar possíveis danos causados pelo furacão.

Apesar da medida, a frota não se afastará do arquipélago no Oceano Pacífico e ficará em estado de alerta caso para ajudar o governo local em situações de emergência após a passagem da tempestade.

No último relatório, as autoridades metereológicas afirmaram que o furacão Lane continuava avançando pelo Oceano Pacífico com ventos a 250km/h. Atualmente, o furacão está a 500 quilômetros ao sul do Havaí. Na terça-feira,  21, a tempestade chegou a ser considerado de categoria cinco na escala Saffir-Simpson, mas caiu para o nível quatro em seguida.

Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, disse que o presidente americano, Donald Trump, está "profundamente preocupado" com a segurança dos havaianos. Segundo ela, Trump deu instruções à Agência Federal de Gestão de Emergências (Fema, na sigla em inglês), para que atue em coordenação com as autoridades locais e se prepare para prestar apoio ao Havaí no que for necessário. //EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.