Pentágono suspende contatos militares com a China

O Departamento de Defesa dos EstadosUnidos ordenou a seus serviços militares para suspenderem todosos contatos com as Forças Armadas da China, informaram hojeautoridades. A suspensão havia na verdade sido ordenada na segunda-feirapelo secretário da Defesa, Donald H. Rumsfeld, e entrou em vigorimediatamente, disse um oficial, que pediu para não seridentificado. A suspensão dos contatos militares ocorre em meio a esforçosdos EUA para recuperar um avião espião da Marinha que fez umpouso de emergência numa base militar chinesa na ilha de Hainanhá um mês após ter colidido com um caça da China. Uma equipe de técnicos civis entraram no avião hoje e começoua avaliar o que precisa ser feito para levar o aparelho de voltapara os EUA. A ordem de Rumsfeld aparentemente não afeta esteesforço. O almirante Craig Quigley, um porta-voz do Pentágono, disseque não havia contatos militares programados com a China em maio e que o Pentágono já havia dito que iria considerar comoproceder depois deste mês. Desta forma, a ordem de Rumsfeld parece ter pouco, se algum,efeito prático. Quigley afirmou que não estava previsto para maio nenhumavisita de navios dos EUA a portos chineses. A última foi a HongKong poucos dias antes da colisão de 1º de abril entre o aviãode reconhecimento EP-3E Aries II e o caça chinês. A suspensão de contatos é a último de uma série de altos ebaixos nas relações entre os militares dos dois países. O Pentágono rompeu laços depois que os militares chinesespromoveram uma sangrenta repressão em 1989 contra o movimentopró-democracia na Praça da Paz Celestial, e os contatos haviamapenas começado a ser retomados quando foram suspensos em 1996depois que a China disparou mísseis na direção de Taiwan. Pequim rompeu os laços militares em 1999 depois que aviõesamericanos bombardearam a embaixada chinesa em Belgrado durantea campanha da Otan contra Slobodan Milosevic. A China nuncaaceitou a explicação dos EUA de que tratou-se de um acidente, enão retomou as relações de defesa por vários meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.