Pequenas doações são trunfo de Trump e democratas na busca de voto nos EUA

Pequenas doações são trunfo de Trump e democratas na busca de voto nos EUA

Corrida por financiamento de campanha presidencial mostra primeiros resultados, com foco em contribuições abaixo de US$ 200

Beatriz Bulla, CORRESPONDENTE / WASHINGTON

21 de abril de 2019 | 04h30

“Envie uma enorme mensagem aos ‘haters’ de Trump levantando US$ 1 milhão nas próximas 24 horas. Contribua agora.” Essa é a mensagem que salta em uma janelinha diante do leitor que abrir o site oficial da campanha à reeleição de Donald Trump. As investigações que atingiram o presidente na última semana são só um fator a mais para estimular as doações.

A meta de US$ 1 milhão em 24 horas foi estabelecida após a divulgação do relatório do procurador Robert Mueller. Na sexta-feira, segundo o site, o montantes já havia sido alcançado com doações que começam em US$ 25 dólares e podem ser feitas pela internet. A estratégia para atrair pequenas contribuições online deu resultado em 2016 e, na corrida para 2020, começa a se repetir.

Os primeiros dados da arrecadação dos candidatos à presidência foram divulgados no dia 15 e mostram que mais da metade das doações para os democratas são inferiores a US$ 200. Mas Trump sai na frente em valores absolutos. A campanha do republicano arrecadou US$ 30,3 milhões no primeiro trimestre, segundo declaração feita à Comissão Federal Eleitoral. Somados os valores arrecadados pela campanha de Trump e pelos comitês do Partido Republicano, o total arrecadado é de US$ 39 milhões. 

Mais da metade do montante (55%) veio de doações abaixo de US$ 200. O comitê “Make America Great Again”, lema da campanha do presidente, arrecadou US$ 17,4 milhões em doações nesta faixa. A meta é alcançar US$ 1 bilhão para o financiamento da campanha à reeleição. O último presidente a disputar a reeleição, Barack Obama, gastou US$ 720 milhões.

Em 2015, quando decidiu concorrer, Trump anunciou que financiaria sua própria campanha. “Eu não preciso do dinheiro de ninguém. É bom. Estou usando meu próprio dinheiro, não estou usando os lobistas, não estou usando os doadores. Eu não ligo. Eu sou realmente rico”, disse. 

No ano seguinte, quase 70% do total de contribuições individuais destinadas à campanha de Trump haviam sido feitas por meio de pequenos doadores. No caso de Hillary Clinton, isso representava 22%. Em 2012, o porcentual de pequenas doações na campanha de Barack Obama foi 28%. 

Se a capacidade total de arrecadação é vista como um sinal de força na corrida eleitoral, as pequenas doações são uma demonstração de engajamento do eleitorado. Em um país onde o voto não é obrigatório, mais importante do que conquistar a simpatia de um cidadão é fazê-lo se sentir motivado para sair de casa e votar – e a doação de pequenas quantidades, pela camada média da população, é entendida como um sinal dessa predisposição.

A necessidade de energizar os movimentos de base e o discurso de rejeição à forma tradicional de financiar a política fez os principais candidatos democratas perseguirem os pequenos doadores. Pesquisa do instituto Pew mostrou que a maioria dos americanos é favor de limites às doações e a formas de diminuir o peso do dinheiro nas campanhas. Em reportagem, a Bloomberg avaliou que “a corrida pelo dinheiro nas prévias democratas é muito mais no Walmart do que na Tiffany”.

Até agora, os candidatos democratas arrecadaram juntos mais da metade do valor por meio de pequenas doações, segundo levantamento publicado na sexta-feira pela rede CNN. Mas isso é um resultado de candidatos que puxaram essa arrecadação junto ao eleitorado, como Bernie Sanders, tradicionalmente crítico dos grandes doadores.

Mais da metade dos pré-candidatos do partido não conseguiu obter a maior parte da arrecadação com pequenas contribuições. Até agora, apenas Bernie Sanders, Kamala Harris, Beto O’Rourke e Peter Buttigieg conseguiram mais doações abaixo de US$ 200. Sanders arrecadou US$ 18 milhões, sendo que mais de US$ 15 milhões vieram de doações miúdas. O’Rourke obteve US$ 6 milhões nas primeiras 24 horas após o lançamento de sua candidatura. “Não é só um sinal da força da base, mas também de que é possível quando você atrai confiança do povo”, disse O’Rouke.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.