(AP Photo/Ng Han Guan)
(AP Photo/Ng Han Guan)

Pequenas explosões ainda ocorrem na China e dificultam os trabalhos de resgate

Autoridades falam em 50 mortos e 700 feridos; proximidades do local do acidente seguem interditadas por precaução

O Estado de S. Paulo

14 de agosto de 2015 | 12h26

PEQUIM - Os pequenos incêndios e as leves explosões que seguem ocorrendo no armazém que explodiu na quarta-feira na cidade de Tianjin, no nordeste da China, dificultam os trabalhos de busca e resgate no local da tragédia.

A constatação foi feita nesta sexta-feira, 14, pelo diretor do Departamento de Bombeiros de Tianjin, Zhou Tian, em entrevista coletiva. Os números divulgados foram 50 mortos e mais de 700 feridos, dos quais 70 ainda permanecem em estado grave.

Um bombeiro de 19 anos foi resgatado hoje dos escombros do armazém, enquanto outros 18 permanecem desaparecidos, segundo o Ministério da Segurança Pública da China. Além disso, 6.000 moradores da região foram evacuados e hospedados temporariamente em escolas, de acordo com as autoridades locais.

"Ainda ocorrem leves explosões no local", disse o diretor do Departamento de Bombeiros de Tianjin. "Ainda há produtos químicos que não foram identificados e que podem explodir ou entrar em combustão a qualquer momento. Por isso, é difícil limpar e controlar a área", acrescentou Zhou.

As proximidades do terminal de contêineres onde ocorreram as explosões estão fechadas por precaução.

O governo chinês informou hoje que vai fazer uma inspeção nacional para examinar as medidas de segurança nos locais que armazenam ou trabalham com produtos químicos de risco.

Autoridades em Tianjin disseram hoje que as explosões não causaram nenhum tipo de contaminação do ar ou da água após a análise das amostras de 17 locais.

Mas elas afirmam que ainda não tem certeza de que tipos de materiais estavam no armazém no momento do acidente, pois eles estavam em armazenamento temporário. Bombeiros disseram ter detectado indícios de produtos químicos, como nitrato de sódio, nitrato de potássio e carboneto de cálcio.

Outro caso. Uma fábrica de aço do norte da China foi sacudida por uma explosão apenas 24 horas depois do acidente em Tianjin, segundo a China National Radio. A explosão aconteceu em uma pequena fábrica privada de aço nos arredores de Anshan, na província setentrional de Liaoning.

Não há registro de mortos e feridos; os próprios trabalhadores da fábrica apagaram o incêndio. Suspeitas apontam que a causa da explosão teria sido o vazamento de um líquido não especificado. /EFE e ASSOCIATED PRESS

Tudo o que sabemos sobre:
explosõesacidentesChinaresgate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.