Philip Fong / AFP
Philip Fong / AFP

Pequim ainda depende comercialmente da ex-colônia britânica 

Se a China tivesse reformado seu sistema financeiro e legal, Hong Kong seria irrelevante para seus negócios globais

The Economist, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2019 | 05h00

Durante as últimas nove semanas os enormes protestos contra o governo abalaram Hong Kong. Em 5 de agosto, manifestantes pró-democracia organizaram a primeira greve geral no território em meio século. Foram desativadas partes do sistema de transporte. Bancos e muitas outras companhias também fecharam.

O número absoluto de manifestantes nas ruas caiu, mas as táticas da vanguarda vestida de preto, que cada vez mais recorre à violência, desafiaram os recursos de uma força policial determinada a reprimir os protestos. Como os métodos dos manifestantes mudaram, o mesmo ocorreu com o seu alvo: o que começou como oposição a um projeto de lei que teria permitido extradições para a China se tornou uma revolta popular contra o governo local e contra o próprio domínio chinês.

As autoridades chinesas supõem a existência de “mãos negras” ocidentais por trás dos protestos. A retórica do continente tem crescido acentuadamente desde 21 de julho, quando os manifestantes desfiguraram a insígnia nacional do escritório central de ligação, representante do governo central no território.

No fim de julho, o major-general Chen Daoxiang enviou a mensagem de que o Exército Popular de Libertação em Hong Kong não hesitaria em restaurar a ordem se o presidente Xi Jinping exigisse. Isso levou a ansiosas especulações em Hong Kong e em todo o mundo, de que as forças de segurança chinesas poderiam estar se preparando para intervir em um território no qual, pela sua fórmula “um país, dois sistemas”, prometera “um elevado grau de autonomia”. 

A China já não depende diretamente de Hong Kong para seu bem-estar econômico como antes. No momento da devolução em 1997, a economia do território era equivalente a quase um quinto da China. Hoje a cifra é de 3% e seu porto não é mais importante no envio de mercadorias do continente.

A estrutura da economia de Hong Kong mudou pouco em duas décadas. Em termos da sua contribuição para a economia, o comércio e a logística, juntamente com as finanças, são notavelmente semelhantes (22% e 19%, respectivamente). Mas Hong Kong continua a ser mais importante para o continente do que poderia parecer à primeira vista.

O paradoxo é que quanto mais autocrático o continente se torna, mais ele precisa de Hong Kong comercialmente. Se a China tivesse reformado seu sistema financeiro e legal, o território seria irrelevante para seus negócios globais. Em vez disso, ocorreu o contrário: a China cresceu rapidamente e se globalizou, mas não se abriu.

Como resultado, a economia de Hong Kong é útil para a China. Tem um status dentro de um corpo de leis e regras internacionais que lhe dá acesso perfeito aos mercados ocidentais. O status é multifacetado. Inclui uma classificação de crédito mais elevada; menores ponderações de risco para exposições bancárias e de contrapartes; a capacidade de liberar dólares facilmente; filiação independente à OMC; status de “equivalência” para a sua bolsa de valores com os dos EUA, Europa e Japão; reconhecimento como uma bolsa de valores “desenvolvida” por empresas de índices e acordos de cooperação com outros reguladores de valores mobiliários.

O mercado acionário de Hong Kong é agora o quarto maior do mundo, atrás de Tóquio, mas à frente de Londres. Cerca de 70% do capital captado por ele é para as empresas chinesas. A maior parte do investimento direto estrangeiro chinês passa por Hong Kong. As ações com domicílio no território praticamente dobraram na última década, para US$ 2 trilhões. A participação de Hong Kong no total de entrada de investimento direto estrangeiro (IDE) na China continental permaneceu relativamente constante, em 60%. Embora a quantidade de dinheiro multinacional que entra e sai da China tenha aumentado, a maioria das empresas ainda prefere ter o selo legal de Hong Kong.

Isso tudo significa que a forma como a turbulência em Hong Kong é resolvida importa mais que apenas para o próprio povo. A China não tomará uma decisão sobre Hong Kong sem levá-la a sério: ela sabe o quanto está em jogo economicamente e o quanto suas maiores empresas dependem do território, independentemente do risco de reputação. Mas também vê a situação se transformar em uma ameaça ao Partido Comunista – que os EUA, acredita, estão tentando explorar. / TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO  

© 2019 THE ECONOMIST NEWSPAPER LIMITED. DIREITOS RESERVADOS. PUBLICADO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ESTÁ EM WWW.ECONOMIST.COM

Tudo o que sabemos sobre:
Hong KongChina [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.