Pequim cria patrulha para caçar casos de Sars

Uma equipe de 30 mil inspetores iniciou uma caçada a casos suspeitos da Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars) no distrito de Haidian, o mais afetado pela doença em Pequim. A criação da patrulha de inspetores é o sinal mais recente da luta desesperada da China para conter a Sars, que já provocou distúrbios em vilas para as quais o governo enviou moradores de áreas infectadas.Enquanto isso, ministros da Saúde dos países da Comunidade Européia participavam de uma reunião de emergência em Bruxelas para discutir meios de controlar o avanço da Sars. "A doença ainda não chegou ao seu pico na China e o número de casos em Hong Kong permanece considerável", disse a presidente da Organização Mundial de Saúde (OMS), Gro Harlem Bruntland. Os ministros estavam inclinados a adotar procedimentos comuns para examinar passageiros oriundos de áreas afetadas.O Ministério da Saúde chinês anunciou hoje mais 138 casos de Sars, com 8 mortes - o que eleva o total de vítimas para 214. O oficial do distrito de Haidian, que tem 2,2 milhões de habitantes, Zhou Liangluo, informou que os 30 mil inspetores visitaram lojas, escritórios e arredores e distribuíram termômetros e folhetos com o número de telefones de emergência nas casas. A Sars já infectou 4.409 pessoas na China. Metade do número de mortes ocorreu em Pequim. Cerca de 7 mil pessoas foram contaminadas em todo o mundo.Além das pessoas, a epidemia tem feito outras vítimas na China: os animais de estimação. Para tentar conter a disseminação da doença, autoridades com roupas especiais estão matando cachorros, em alguns casos por espancamento, enquanto seus donos estão isolados no hospital sob suspeita de Sars, embora não haja provas de que cães e gatos possam contrair essa pneumonia.Mas alguns donos desses animais, temendo que eles carreguem o vírus, estão também se encarregando da tarefa da pior maneira possível: já houve o caso de um deles que passou com o carro em cima do seu cachorro. Muitos abandonam os bichinhos e outros, ainda, recorrem aos veterinários para pedir que realizem eutanásia.Veja o índice de notícias sobre a pneumonia atípica

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.