Pequim denuncia 'provocação' dos Estados Unidos no Mar da China Meridional

Dois navios de guerra americanos passaram por arquipélagos reivindicados pela China

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2019 | 03h30

A China acusou nesta sexta-feira, 22, os Estados Unidos de 'provocação', após dois navios de guerra americanos passarem perto de arquipélagos reivindicados por Pequim no Mar do Sul da China, em meio a crescentes tensões entre os dois países. A área cobicaçada pelo gigante asiático é também disputada por Taiwan, Filipinas, Brunei, Malásia e Vietnã.

A Marinha dos Estados Unidos realiza operações regulares nessa região, alegando ter objetivo de fortalecer a 'liberdade de navegação'. O país norte-americano afirmou que um de seus navios, Gabrielle Giffords, passou por Mischief Reef, no arquipélago de Spratly, na última quarta-feira, 20. Já o destruidor Wayne E. Meyer teria se aproximado das Ilhas Paracels na quinta, 21, de acordo com o comandante Reann Mommsen, porta-voz da 7ª Frota, com sede no Japão.

A China enviou navios militares para identificar e monitorar os navios dos Estados Unidos e pediu que eles se afastassem da área, informou o Comando Sul do Exército de Libertação Popular (EPL, Forças Armadas Chinesas) em comunicado. "Pedimos aos Estados Unidos que parem com esse tipo de comportamento provocativo e arriscado, para evitar incidentes imprevistos", alertou o exército chinês.

Além disso, o exército disse que a insistência de Washington na 'liberdade de navegação' era apenas um 'pretexto'. Tradicionalmente, Pequim delineia em seus mapas a porção do Mar da China Meridional sobre a qual afirma ter soberania territorial.

No entanto, o comandante Mommsen disse que os Estados Unidos continuarão "navegando e agindo onde o direito internacional permitir, independentemente de reivindicações marítimas abusivas e do contexto geral". A China e os Estados Unidos estão envolvidos em uma guerra comercial há um ano e meio e, nos últimos meses, sofreram atritos com a situação em Hong Kong. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.