Pequim liberta repentinamente preso político

As autoridades chinesas libertaram inesperadamente hoje o proeminente ativista Xu Zhiyong, depois que uma campanha local contra sua prisão ganhou forças no país e no exterior. Xu é cofundador da Iniciativa por uma Constituição Aberta (ICN), um consórcio de advogados voluntários que defendem casos que desafiam o governo e outros interesses poderosos. O ativista foi preso pela polícia em sua residência em 29 de julho, e duas semanas depois acusado formalmente pela suposta dívida do ICN no valor de 1,4 milhão de yuans (US$ 200 mil) em impostos.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

23 de agosto de 2009 | 20h22

Grupos de direitos humanos e especialistas em direito disseram que as acusações contra a ICN foram apenas um pretexto para justificar a prisão de Xu e acabar com o grupo, que representa legalmente famílias de crianças que ficaram doentes ou morreram em razão da ingestão de leite contaminado, em um incidente ocorrido em setembro de 2008 que ficou conhecido por escândalo do leite adulterado.

No final do ano passado, mais de 13 mil crianças foram hospitalizadas na China devido ao consumo de leite em pó contaminado pela substância industrial melamina, que provoca pedras e obstruções renais, algumas dessas crianças morreram.

Xu afirmou que não sabe porque foi repentinamente liberado, mas afirma que campanha pública "definitivamente teve influência".

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinapreso político

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.