Pequim mostra prova da culpa dos EUA

O governo chinês exibiu nesta quinta-feira imagens que considera "provas irrefutáveis" da culpa do avião espião norte-americano EP-3 no choque em pleno ar com o caça F-8 da China em 1º de abril.Danificados, o EP-3 teve de fazer uma aterrissagem forçada na ilha chinesa de Hainan, onde a tripulação ficou detida por 11 dias, e o F-8 caiu ao Mar do Sul da China. O piloto chinês está desaparecido.As cinco horas de conversações ontem e hoje não alteraram as respectivas convicções de norte-americanos e chineses, que continuam culpando uns aos outros pela colisão.Nas discussões desta quinta-feira, autoridades chinesas e norte-americanas evitaram o rompimento das conversações e devem voltar a negociar a questão nesta sexta.A porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Zhang Qiyue, disse que as negociações "foram um franco intercâmbio de idéias que auxilia uma melhor compreensão".De acordo com Peter Verga, subsecretário de Defesa e chefe da delegação norte-americana, as conversações foram "muito produtivas".De qualquer forma, o único ponto no qual ambas as partes parecem estar de acordo é em seguir negociando, apesar de não se saber exatamente quando nem onde.Qiyue apresentou fotos e imagens animadas por computador que, de acordo com ela, documentam a forma "perigosa e agressiva" com que o avião norte-americano ameaçava os dois caças chineses que o interceptaram em espaço aéreo internacional, sobre o Mar do Sul da China, a pouca distância do limite do espaço aéreo chinês.As fotos mostram dois aviões - supostamente o EP-3 e um dos F-8 - voando com as asas a poucos metros uma da outra. Uma delas registra também o momento em que um dos tripulantes do avião norte-americano aponta uma câmera na direção do caça.Na simulação feita pelo computador, um avião representando o EP-3 muda de direção bruscamente, colocando-se na rota do F-8, até que ocorre o choque.Segundo as autoridades chinesas, as imagens da simulação foram feitas com base no depoimento do piloto do segundo caça chinês, que não se envolveu no choque.Militares norte-americanos, que na semana passada tinham exibido imagens feitas pelos tripulantes do EP-3, argumentam que é tecnicamente impossível um avião turboélice lento e pesado ameaçar um jato de combate como o F-8.Os tripulantes da aeronave norte-americana também asseguram que voavam no piloto automático.Para os norte-americanos, o impacto ocorreu devido à imprudência do piloto chinês, que perdeu o controle do aparelho a um metro de distância do EP-3.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.