Pequim pede aos EUA esforço conjunto para reduzir tensão na península coreana

Para Pequim a prioridade é acalmar a tensão atual e rejeitar qualquer ação que possa originar brigas

Efe,

29 de novembro de 2010 | 03h47

PEQUIM - China e Estados Unidos devem ajudar a diminuir a tensão na Península Coreana e facilitar o diálogo, ressaltou nesta segunda-feira, 29, o responsável de Assuntos Exteriores chinês, Dai Bingguo, durante uma conversa por telefone com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton.

Segundo a agência oficial de notícias Xinhua, Dai expressou a profunda preocupação da China com o que está acontecendo na região onde, até o dia 1º de dezembro, se desenvolvem manobras conjuntas navais entre Coreia do Sul e EUA.

 

"Para Pequim a prioridade imediata é acalmar a tensão atual e rejeitar qualquer ação que possa originar uma escalada", disse Dai.

O alto cargo comunista chinês assegurou que "Washington e Pequim deveriam desempenhar ativamente um papel construtivo e desenvolver esforços para combater a situação o mais rapidamente possível a fim de salvaguardar a paz e estabilidade na península coreana, e prioridade para a China".

 

O membro do Executivo chinês destacou que as seis partes envolvidas desde agosto de 2003 no diálogo multilateral (formato que pediu Washington perante a falta de progresso bilateral com Pyongyang após a crise de 2002) e agora bloqueado, deveriam se esforçar e buscar soluções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.