Pequim volta a defender diálogo com Teerã

A China voltou ontem a defender o diálogo nas negociações em torno do programa nuclear do Irã, um dia depois de os presidentes Barack Obama e Hu Jintao terem se reunido em Washington, em um diálogo que os americanos interpretaram como favorável à adoção de sanções contra o país persa. "A China sempre acreditou que a negociação e o diálogo são as melhores saídas para essa situação, e não o exercício de pressão", disse a porta-voz doa chancelaria, Jiang Yu. Apesar da cautela, ela deixou aberta a porta para a imposição de sanções, ao dizer que a China adota uma estratégia dupla em relação ao Irã, com a manutenção do diálogo e o apoio a sanções quando ele se revela infrutífero. "Apoiamos o sistema de não-proliferação nuclear, a manutenção da paz e da estabilidade no Oriente Médio, somos contrários à posse de armas nucleares pelo Irã e apoiamos uma estratégia dual." / CLÁUDIA TREVISAN

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.