Perdas causadas por terremoto no Japão chegam a R$ 24 bi

Tremor de 6,8 graus interrompeu fornecimento de energia; 11 pessoas morreram e mais de mil ficaram feridas

Efe,

23 Julho 2007 | 11h36

O terremoto de magnitude 6,8 graus que no último dia 16 atingiu a região de Niigata, no noroeste do Japão, deixou perdas no valor de 1,5 trilhão de ienes (aproximadamente R$ 24 bilhões), informaram nesta segunda-feira, 23, fontes do governo da província.   Quase a metade das perdas se deve às interrupções no fornecimento de energia causadas pelo fechamento por tempo indeterminado da usina nuclear de Kashiwazaki-Kariwa, a maior do mundo em capacidade, segundo fontes oficiais citadas pela agência local Kyodo.   A usina registrou vazamentos de água radioativa devido ao sismo.   Além de deixar onze mortos e cerca de mil feridos, o terremoto destruiu 9.800 casas e obrigou 3 mil pessoas a se refugiarem em abrigos temporários em Kashiwazaki, a cidade mais afetada pelo tremor.   Na mesma localidade, o terremoto atingiu as instalações da companhia Riken, que fornece peças para a indústria automobilística japonesa, impedindo a conclusão de 100 mil veículos de doze marcas, entre elas Toyota, Nissan e Honda.   A Toyota, o primeiro fabricante do Japão, anunciou nesta segunda que sua produção será reduzida em 55 mil unidades, mas que o corte não alterará sua meta de produção global de 9,34 milhões de veículos em 2007.   Nesta segunda-feira, um homem de 47 anos se tornou a 11ª vítima fatal do terremoto, que deixou também cerca de mil feridos.   Kimio Tomimatsu estava trabalhando na fundição da Shimoda Industry em Kashiwazaki no momento do terremoto, que provocou uma explosão nas instalações, que causou queimaduras no homem e em outras duas pessoas.   Os três foram levados imediatamente ao hospital da cidade de Kashiwazaki, a mais atingida pelo tremor, onde ainda estão se recuperando os dois colegas de Tomimatsu.

Mais conteúdo sobre:
Terremoto Japão perdas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.