´Perdemos a esperança´, dizem autoridades das Filipinas

Seis dias depois do deslizamento que sepultou o vilarejo rural de Guinsaugon, na Província de Leyte, no sudoeste das Filipinas, as possibilidades de encontrar sobreviventes são praticamente nulas, admitiu nesta quarta-feira Cora Galdon, porta-voz do escritório da governadora de Leyte."As equipes de resgate seguem realizando seus trabalhos. Estão realizando as operações durante 24 horas, embora com pouca esperança de encontrar sobreviventes", disse a porta-voz.Galdon assinalou que após seis dias do deslizamento de terras, 981 pessoas permanecem desaparecidas, enquanto o número de corpos chega a 85 e os sobreviventes, a 772.A porta-voz acrescentou que 19 vítimas ainda estão internadas no hospital e que 1.645 moradores de Guinsaugon e bairros vizinhos foram levados para quatro centros de desabrigados. A presidente filipina, Gloria Macapagal Arroyo, visitou a área devstada e se comprometeu com a reconstrução.Por sua vez, Imelda Marcos, a viúva do ditador Ferdinand Marcos, prometeu hoje em São Bernardo ajuda financeira para os milhares de desabrigados pelo desmoronamento. Imelda, que não especificou a quantidade da doação, disse aos jornalistas que foi a São Bernardo por estrada desde a vizinha Tacloban, a cidade de onde procede sua família.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.