Peregrinos em Meca ficam ultrajados por morte de Saddam

Os peregrinos muçulmanos em Meca expressaram ultraje neste sábado diante da decisão das autoridades iraquianas de enforcar o ex-líder Saddam Hussein num importante feriado religioso, dizendo que isso foi um insulto aos islâmicos.Os árabes sunitas no Haj, peregrinação anual a Meca e Medina, ficaram chocados com o enforcamento de Saddam por crimes contra a humanidade. "Sua execução no dia do Eid (...) é um insulto a todos os muçulmanos", disse o peregrino jordaniano Nidal Mohammad Salah. "O que acontece não é bom porque, como chefe de Estado, ele não deveria ser executado."O Eid al-Adha, ou Festa do Sacrifício, celebra a vontade manifestada pelo patriarca Abraão de sacrificar seu filho em honra a Deus. Os países muçulmanos costumam perdoar criminosos durante a festa, e prisioneiros raramente são executados nessa época.A morte de Saddam pode aumentar o ódio aos muçulmanos xiitas na Arábia Saudita, um bastião do Islã sunita onde o islamismo ortodoxo - conhecido como Wahhabismo - vê os xiitas praticamente como hereges.Os responsáveis pela organização do Haj temem que a morte possa aumentar as tensões entre os peregrinos xiitas e sunitas.O Eid acontece durante os cinco dias de Haj, quando mais de 2 milhões de muçulmanos do mundo todo seguem rituais antigos na cidade sagrada de Meca, na Arábia Saudita.Muitos xiitas vêem a morte de Saddam como um presente de Deus. "Isso é como dois Eids! Espero que Deus não tenha piedade dele", disse o iraquiano Nadir Abdullah.Os peregrinos se vestem em roupas brancas simples que podem disfarçar diferenças de seita e nacionalidade. Muitos vêm de fora do Oriente Médio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.