Peregrinos muçulmanos partem da cidade de Meca no início do haj

A peregrinação anual dohaj começou em Meca, nesta segunda-feira, quando centenas demilhares de peregrinos muçulmanos vestiram-se de branco,arrumaram as malas e partiram para ficar em um acampamentomontado na periferia da cidade sagrada. Na região central de Meca, alguns retardatários cumpriram oritual de dar sete voltas na Caaba, o santuário em formato decubo para o qual todos os muçulmanos devem voltar-se aorealizar suas orações diárias. Mais de 1,6 milhão de peregrinos chegaram à Arábia Sauditavindos de outros países para participar do haj, o maiorfestival religioso do mundo e uma obrigação que todos osmuçulmanos precisam cumprir ao menos uma vez na vida casotenham condições de fazê-lo. Os peregrinos vindos de dentro da Arábia Saudita somam-se aesse montante, elevando a cifra final para mais de 2,5 milhõesde pessoas, o que significa um grande desafio logístico e desegurança para as autoridades do país. "Temos de ficar atentos ao estado de saúde de peregrinosvindos de alguns países", afirmou o ministro saudita da Saúde,Hamad al-Manei, à TV árabe Al Jazeera, que recebeu autorizaçãopara cobrir os rituais neste ano. Em outras oportunidades, ocanal foi impedido de transmitir as cerimônias. "Alguns dos peregrinos estrangeiros não falam árabe. Comohá muitas línguas e culturas diferentes, há dificuldades",disse o ministro, em Meca. O governo afirmou que tomou medidas de precaução contra agripe aviária. Recentemente, o vírus H5N1, responsável peladoença, matou aves na região de Riad. Até o anoitecer, todos os peregrinos devem ter chegado aMina, a leste de Meca, para o primeiro pernoite do itinerário,que os levará de volta a Meca no final desta semana. Alguns deles caminhavam, carregando suas malas, enquantooutros pegaram ônibus que trafegavam lentamente por entre amultidão. A estrada entre Meca e a cidade portuária de Jidáficou congestionada devido ao grande número de carros comperegrinos dirigindo-se à cidade mais sagrada do Islã. Os peregrinos consideram o haj uma afirmação da unidade eda solidariedade muçulmanas. O festival reúne pessoas dediferentes culturas e etnias em nome da crença comum em um deusúnico. Muitos deles também afirmam estar buscando perdão porpecados dos quais se arrependeram. "Um bom haji (peregrino) voltará para casa como uma criançanascida de novo. Todos os seus pecados são lavados", afirmou oprofessor nigeriano de sociologia Baffa Aliyu Umar, queparticipa de seu quarto haj. O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, participará dosrituais deste ano, tornando-se o primeiro líder iraniano afazer isso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.