Peres propõe que Jerusalém seja a "capital do mundo"

O líder opositor e ex-chanceler israelense Shimon Peres propõe que Jerusalém seja declarada a capital do mundo, como maneira de superar o impasse provocado pelas exigências tanto de israelenses como de palestinos, disse nesta terça-feira um de seus assessores. A disputa sobre Jerusalém é um dos fatores cruciais do fracasso das iniciativas de paz anteriores, e sem dúvida voltará à tona se prosseguirem as conversações do ?roteiro para a paz? apoiado pelos EUA que tenta pôr fim à violência e criar um Estado palestino até 2005. O jornal Maariv disse que Peres apresentou sua idéia na segunda-feira a funcionários russos que o visitaram. Yoram Dori, o porta-voz de Peres, confirmou a notícia. A declaração da histórica cidade como ?capital mundial? parece ser em grande parte simbólica. Segundo o Maariv, Peres propôs que como prefeito fosse designado o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, que por sua vez nomearia vice-prefeitos judeus e árabes que administrariam os bairros da cidade. A questão de Jerusalém é um dos temas mais difíceis do conflito israelense-palestino: a Assembleia Geral das Nações Unidas decidiu em 1947, ao dividir a Palestina em um Estado judeu e outro árabe, que Jerusalém seria uma cidade internacional. Israel anexou toda a cidade após a guerra de 1967 e a declarou sua capital seis anos depois. Os palestinos reclamam uma parte da cidade para declará-la como capital de seu Estado, mas o primeiro-ministro Ariel Sharon se nega a fazer qualquer concessão a respeito de Jerusalém. O antecessor de Sharon, Ehud Barak, ofereceu aos palestinos uma soberania limitada sobre os bairros árabes e a maior parte da Cidade Velha, mas não houve acordo - a violência explodiu e Barak perdeu as eleições seguintes. A proposta de Peres não provocou uma reação imediata.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.