Andrew Milligan/Reuters
Andrew Milligan/Reuters

Perfil: Dominic Cummings, o Rasputin de Boris Johnson

Retratado por Benedict Cumberbatch na TV, assessor de premiê atrai fãs e detratores no impasse do Brexit

Benjamin Mueller e Stephen Castle /The New York Times, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2019 | 20h00

LONDRES -  No tumulto que se abateu sobre o Parlamento britânico na semana passada, pelo menos uma pessoa parecia se deleitar com a brutal política da era do primeiro-ministro Boris Johnson.

Usando sua habitual camisa branca amassada, Dominic Cummings, o principal assessor do primeiro-ministro, podia ser ouvido vagando pelos corredores do Parlamento, xingando os legisladores por telefone e destruindo carreiras de políticos conservadores, que impediam a retirada abrupta da União Europeia.

Ele também guardou alguns opróbrios para a oposição, interrompendo uma pequena caminhada, tarde da noite, para espicaçar o líder trabalhista da oposição, Jeremy Corbyn, a apoiar uma eleição antecipada, como relatou publicamente um legislador trabalhista.

“Não tenha medo!” Cummings gritou.

Para Entender

Guia: como a suspensão do Parlamento britânico afeta o Brexit

Manobra do premiê Boris Johnson pode atrasar as discussões para a aprovação de um acordo amigável com a UE

Rasputin nos bastidores de um premiê controvertido

Durante as primeiras semanas da liderança de Johnson, Cummings foi uma figura sombria, retratada como um Rasputin conduzindo a estratégia de terra arrasada de seu chefe para encerrar o Brexit até 31 de outubro, com ou sem um acordo para governar as relações futuras, “aconteça o que acontecer”.

Para seus fãs, ele é um gênio, o homem que dirigiu a bem-sucedida campanha “Leave” (Saída) no referendo de 2016 e com certeza abriria caminho como uma serra elétrica através da vegetação política para alcançar o Brexit.

Para seus oponentes, ele era um gênio, mas do mal, sem princípios, que iria a pontos inalcançáveis, até mesmo subvertendo o processo democrático, para atingir seus objetivos.

No entanto, desde que Johnson começou a desenvolver sua estratégia para o Brexit, e particularmente nesta primeira semana real emaranhando-se com a realidade da complexa política do Brexit, o manto de gênio começou a escorregar dos ombros de Cummings.

Choque de realidade nas batalhas no Parlamento

Em questão de dias, Johnson foi acusado de subverter o conjunto de princípios da constituição do país, suspendendo as sessões do Parlamento e de dividir os conservadores ao banir 21 legisladores - incluindo o neto de Winston Churchill - que votaram para tentar impedi-lo de sair da União Europeia sem um acordo em 31 de outubro, se fosse necessário.

Essa decisão levou embora de seu gabinete e do Partido Conservador neste fim de semana, uma das maiores aliadas moderadas de Johnson, Amber Rudd. Ela saiu dizendo que deixar a União Europeia com um acordo não era mais “o principal objetivo do governo”.

O primeiro-ministro perdeu sua maioria no Parlamento e, mais preocupante para Cummings, seu plano alternativo de realizar eleições gerais em meados de outubro para garantir um mandato para o Brexit, que acabou parecendo inexequível, depois que os partidos da oposição se reuniram na sexta-feira para dizer que não podiam apoiar isto.

Caos e exigências de renúncia do 'mago' de Johnson

O caos resultante deixou o governo britânico debilitado e seu caminho para deixar a União Europeia mais inescrutável do que nunca. Os legisladores estão exigindo a renúncia de Cummings. Manifestantes exibem cartazes com seu rosto, enfeitados com pequenos chifres vermelhos. Boatos sobre sua iminente demissão ganham força em Westminster.

Dizem que Cummings está tramando uma resposta radical, com Johnson se preparando para desafiar a lei que evita um Brexit sem acordo, recusando-se a pedir um adiamento a Bruxelas, disseram ministros no domingo. Isso poderia atrair os tribunais para a disputa, já que o prazo termina em 31 de outubro, um espetáculo que Cummings calcula que apenas aumentará a credibilidade do primeiro-ministro junto aos eleitores pró-Brexit distantes de Londres.

Mas também poderia afastar eleitores mais moderados dos conservadores, por décadas. E as notícias britânicas dão conta de que até Johnson estava preocupado com o fato de as táticas inflexíveis terem saído pela culatra.

Provocador em série, estrategista talentoso e assassino político, Cummings construiu sua carreira com a afronta da chamada “bolha” (uma referência à Bolha Assassina, da ficção cientifica que devora tudo em seu caminho) como ele chama de partes do establishment. Ele não tem uma filiação política conhecida, concentrando suas energias em abalar o sistema político da Grã-Bretanha.

'Destruir é uma coisa, criar é outra'

“Até o momento, Dom tem sido muito eficaz na execução de campanhas contra as coisas”, disse David Laws, ex-deputado dos Liberais Democratas que trabalhou com Cummings no Departamento de Educação. “Agora vamos ver se ele consegue fazer a transição para o governo e criar coisas, em vez de aniquilá-las.”

Se para a classe política britânica fica a impressão de que ele exagerou, não está claro se o próprio Cummings chegou à mesma conclusão. Alguns ex-colegas duvidam que ele sequer perderá o sono sobre seu status de pária.

“Estamos em um caos absoluto, e Dominic adora o caos”, disse Matt Sanders, que dividiu um escritório com Cummings por três anos no Departamento de Educação. “Ele explodiu essa granada de mão virtual em Westminster, e todo mundo está falando sobre ele. Se membros moderados do Parlamento e eleitores estiverem gritando com ele, pensará: ‘Eu devo estar fazendo algo certo’. “

Ultimamente, Cummings demonstrou muitas das mesmas qualidades em exibição na campanha implacável, sem restrições e factualmente suspeita de 2016. (Mais tarde, ele foi considerado em desacato pelo Parlamento por se recusar a responder às perguntas dos parlamentares sobre a campanha.)

Resistindo a ativistas de direita que queriam se concentrar apenas na imigração, ele apelou aos eleitores da classe média com uma mensagem de soberania e independência, cunhando o slogan “Vote pela saída, retome o controle”.

Estrategista foi retratado na TV por Benedict Cumberbatch

Sua mística parece tão grande na imaginação britânica que, em um recente drama exibido pela TV, Brexit, ele foi interpretado por Benedict Cumberbatch, retratando um gênio torturado com a intenção de detonar a enfadonha elite política da Grã-Bretanha. O seriado é exibido no Brasil pelo HBO Go

Filho de um gerente de projeto em plataforma petrolífera e de uma professora para alunos com necessidades especiais, Cummings frequentou Oxford, como muitos protagonistas da saga do Brexit. Mas, diferentemente do círculo patrício que tendia a circundar os primeiros ministros, Cummings não saltou imediatamente para o cadinho da política de Westminster.

Em vez disso, ele foi para a Rússia, onde tentou e fracassou ao lançar uma companhia aérea em um empreendimento tão mal administrado que, segundo conta a história, o único cliente que conseguiu atrair foi esquecido pela aeronave. Na Grã-Bretanha, ele também foi auxiliar de porteiro de boate.

Cummings entrou na política sem a lealdade do partido ou a ambição de se tornar um legislador que motiva a maioria dos jovens assessores. Mas ele logo se tornou conhecido e, como chefe de gabinete de um ministro conservador, Michael Gove, no Departamento de Educação a partir de 2010, embarcou em um reino de temor.

“A política é um negócio brutal, mas mesmo nesse mundo, a abordagem de Dom é altamente incomum”, disse Laws. “Isso de certa forma leva a política cotidiana a se parecer com um assunto muito acolhedor e consensual, porque isso é o brutalismo multiplicado.”

Rastro de destruição na coalizão de governo

Ele minou violentamente os democratas liberais que estavam então em uma coalizão com os conservadores, mas não pouparam os seus próprios adeptos. “O Partido Conservador para ele foi uma ferramenta útil para destruir as coisas e depois reconstruí-las”, disse Sanders.

Esse desdém pelo establishment político serviu-lhe bem durante a campanha de 2016, quando Cummings entrou em conflito com os conservadores veteranos na cruzada anti-Europa. Cummings se transformou em um futurista, com a intenção de desmembrar a Grã-Bretanha da União Europeia para atrair talentos e construir uma sociedade tecnicamente mais eficiente e mais avançada.

Sua abordagem atraiu a atenção de Johnson, um dos mais importantes defensores do Brexit.

“Ambos têm olhos de especialista para qualquer nova ideia brilhante que possa ou não funcionar, e estão preparados para ir além dos limites das convenções usuais”, disse Andrew Gimson, que escreveu uma biografia do primeiro-ministro.

Destino sombrio por falta de experiência

Mas os analistas agora se perguntam se seu desdém pelos parlamentares, associado à falta de familiaridade de Johnson com as negociações parlamentares, pode agora ser prejudicial.

“Ele não os conhece como indivíduos”, disse Gimson sobre Cummings. “Ele provavelmente considera a maioria deles como de terceira categoria.”

Muitos estão furiosos com ele, particularmente aqueles que foram expulsos do Partido Conservador, como Dominic Grieve, um dos 21 ex-membros conservadores do Parlamento, expulsos por Johnson.

“Cummings é um bashi-bazouk”, disse Grieve, citando as tropas de choque do Império Otomano, reconhecidas por sua ferocidade. “Será um período muito difícil, porque Cummings não respeita nenhuma regra.”

Downing Street se recusou a comentar este artigo.

 

Cummings não é do tipo que admite erros com facilidade e não perde tempo se preocupando com sua imagem. Mas analistas dizem que ele se tornou vulnerável ao cometer um dos pecados capitais dos conselheiros do firmamento de Westminster: o de ficarem tão conhecidos que correm o risco de se colocar na linha de fogo.

Além disso, ele nunca planejou ficar muito tempo no trabalho.

“Na sua opinião, ele está lá para finalizar o Brexit até 31 de outubro ou uma vitória nas eleições; ele não estará lá por muito tempo ", disse Lucy Thomas, uma figura de destaque na campanha contra o Brexit em 2016.” Isso torna mais fácil manter-se obstinadamente nesse objetivo e fazer qualquer coisa para chegar lá ".

As próximas semanas dirão se ele será bem-sucedido, mas certamente esta vai ser uma corrida acidentada. “Dominic Cummings tem um apetite insaciável pelo risco”, disse Sanders. “Ele está totalmente feliz com sua aposta.” /Tradução de Claudia Bozzo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.