Perfil: Felipe de Bourbon

Príncipe de Astúrias, que vai assumir o trono espanhol, mantém tradicional relação da Família Real com os esportes

O Estado de S. Paulo

02 de junho de 2014 | 18h36

MADRI - Felipe de Bourbon, que será o novo rei da Espanha após a abdicação de seu pai, Juan Carlos I, mantém a tradicional relação da Família Real com o esporte. Ele atuou fortemente na candidatura da Espanha para sediar os Jogos Olímpicos de 2020 e antes, em 1992, foi o porta-bandeira da delegação espanhola nos Jogos Olímpicos de Barcelona.

O príncipe de Astúrias, fã de vela, squash e esqui, acompanha atletas em várias competições, especialmente nas Olimpíadas. A mulher dele, Letizia, acompanha o marido desde o casamento, em 2004.

Madri não foi a sede escolhida para os jogos de 2020, mas Felipe se envolveu desde o início na campanha. Ele foi a Buenos Aires para participar da apresentação da proposta espanhola, em 7 de setembro de 2013, e diante da Assembleia do COI, afirmou que a cidade seria "um parceiro confiável e com experiência".

"Hoje não me dirijo aos senhores como príncipe da Espanha. Sou participante olímpico e orgulhoso pai de duas meninas que, da mesma forma que milhões de crianças, esperam um futuro mais brilhante. Toda a Espanha quer os Jogos. Agora, mais que nunca, Madri faz sentido", afirmou, antes de o COI eleger Tóquio como organizadora do megaevento esportivo.

A vontade de ver a Espanha sediando novamente as Olimpíadas voltou a ficar clara em seu discurso na última festa de gala do Comitê Olímpico Espanhol (COE), em 18 de dezembro de 2013, e na presença do novo presidente do COI, o alemão Thomas Bach, quando recebeu a Ordem Olímpica de Ouro.

"Não desfalecemos em nossa determinação de continuar fazendo as coisas cada vez melhor. Manter o nível de excelência do esporte espanhol é um desafio difícil que assumimos com vontade e com os mesmos princípios; como atletas, como olímpicos e como espanhóis, trabalharemos o tempo todo para conservar os sucessos que, juntos, conseguimos", afirmou o príncipe na ocasião.

A relação da Família Real com o esporte começou com a participação do rei Juan Carlos I nos Jogos Olímpicos de Munique em 1972, onde competiu na classe Dragon da vela. Nos Jogos de Roma, em 1960, a rainha Sofia participou como reserva no mesmo esporte representando a Grécia, seu país natal, junto com o irmão Constantino.

Em Barcelona 92, Felipe competiu na classe soling com o barco Aifos (nome de sua mãe, Sofia, ao contrário), com Fernando León e Alfredo Vázquez. Antes de estar na competição, o príncipe foi o primeiro colocado no Campeonato da Espanha de 1989 e venceu a Copa Espanha de 1990. No mesmo ano, ficou em quinto no campeonato mundial e, em 1991, voltou a triunfar no Campeonato da Espanha e acabou em quarto no mundial de Match Race.

Os resultados no Campeonato Mundial possibilitaram a Felipe fazer parte da equipe olímpica espanhola, para a qual foi convocado em 27 de janeiro de 1992. Sua embarcação venceu a Copa da Espanha de Vela de classes olímpicas no dia 15 de março de 1992, que lhe assegurou o acesso aos Jogos.

Don Felipe, que admitiu "sonhar com uma medalha" antes do início dos Jogos, não conseguiu se classificar para as semifinais de match race e terminou a competição em sexto. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.