Perfurador de poços de água também procura salvar vidas

Norte-americano foi o principal responsável por manusear a perfuradora T130 que chegou aos mineradores chilenos

AP,

09 de outubro de 2010 | 13h45

Com suas enormes mãos queimadas, rosto enegrecido e dentes brilhantes, Jeff Hart diz que seu coração bateu forte na madrugada deste sábado, 9, numa jornada de emoção e satisfação.

 

"Hoje estive nervoso", disse Hart, de 40 anos, natural de Denver, nos Estados Unidos. "Não quero que nada saia mal." Como empreiteiro da empresa Geotec, proprietária da perfuradora T130, Hart chegou do Afeganistão, onde cavava poços de água para o exército norte-americano, ao Chile para operar a máquina.

 

Desta vez, a missão era outra. Ele não iria procurar água, mas salvar vidas. Cavar a pedra e fazer um túnel para chegar aos 33 mineradores presos por mais de dois meses a 700 metros de profundidade e que haviam sobrevivido milagrosamente após um desmoronamento massivo no último dia 5 de agosto.

 

"São missões diferentes", disse sorridente, ao descrever o que fazia antes e sua mais recente missão, terminada. "Desta vez precisávamos abrir caminho para 33 homens", acrescentou diante de vários jornalistas na entrada do acampamento em que por mais de dois meses parentes dos mineradores aguardam a saída deles.

 

Ao seu lado, James Stefanic, diretor de operações da Geotec, disse que eles trouxeram Hart para se encarregar da T130 "simplesmente porque é o melhor". Os familiares dos mineradores tiram fotos com o americano, que se converteu no herói do dia. Ao longo de 33 dias, ele trabalhou com a dura broca para chegar aos 32 chilenos e um boliviano, que esperavam embaixo.

 

Diante dos medidores de pressão no painel de controle da T130, uma das três máquinas que tentavam construir uma área de escape para o grupo, Hart lutou contra as adversidades. Às 8h05 da manhã deste sábado, Hart atingiu seu objetivo: chegar aos 622 metros, o teto de um abrigo a que os mineradores tiveram acesso por meio de uma galeria. Este abrigo está alguns metros mais próximo da superfície do que o local em que eles estavam anteriormente. "Sinto a satisfação de ter feito meu trabalho", disse. "Está feito."

Tudo o que sabemos sobre:
Chilemineradoresperfuradoramina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.