Ricardo Moraes/ Reuters
Ricardo Moraes/ Reuters

'Perguntaram sobre minha vida toda', diz namorado de pivô do caso Snowden

Brasileiro teve computadores e arquivos apreendidos pela polícia britânica em Heathrow

O Estado de S. Paulo,

19 de agosto de 2013 | 10h56

RIO - O brasileiro David Miranda, de 28 anos, desembarcou no Aeroporto Internacional do Galeão-Tom Jobim, no Rio de Janeiro, na manhã desta segunda-feira (19), após ficar detido por quase nove horas no domingo  por oficiais da Scotland Yard no aeroporto de Heathrow, em Londres, na Inglaterra.

Ele é companheiro de Glenn Greenwald, jornalista americano radicado no Rio, que revelou em reportagens no jornal britânico The Guardian como os métodos utilizados pela Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês) para espionagem de cidadãos e governos de vários países, entre eles o Brasil.  As informações foram vazadas para Greenwald por Edward Snowden, ex-agente da Agência Central de Inteligência americana (CIA, na sigla em inglês), atualmente asilado a Rússia.

"Eu fiquei numa sala, tiveram seis agentes diferentes, entrando e saindo, falando comigo. Fizeram perguntas sobre a minha vida inteira, sobre tudo, levaram o meu computador, videogame, celular, meus memory cards, tudo", contou Miranda à TV Globo, após desembarcar no Rio. Miranda foi detido com base no artigo 7 da Lei Antiterrorismo britânica, de 2000, que permite a interceptação de indivíduos, pesquisa e aplicação de interrogatório em aeroportos, portos e áreas de fronteira.

O brasileiro chegou ao aeroporto de Heathrow após sair de Berlim. Na Alemanha, ele havia se encontrado com a documentarista Laura Poitras, para dar prosseguimento ao documentário que Glenn Greenwald está fazendo sobre as informações da NSA. Na volta da Alemanha ele faria uma escala de apenas duas horas em Londres. Por volta das 8h30 de domingo (horário de Londres), Miranda foi informado de que passaria por um interrogatório. Sem qualquer acusação contra ele, foi liberado somente às 17h.

Após se encontrar com o companheiro no aeroporto do Rio, Greenwald disse que a detenção de Miranda foi uma tentativa de intimidá-lo. "Agora vou ser mais radical com minhas reportagens no The Guardian. Tudo isso foi uma tentativa clara de intimidação".

Assista ao vídeo da CNN sobre o caso:

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.