REUTERS/Henry Nicholls
REUTERS/Henry Nicholls

Perguntas e Respostas: o que se sabe sobre os envenenamentos por Novichok no Reino Unido

Agente neurotóxico tem ligação direta com a União Soviética, mas russos negam envolvimento; segundo especialistas, substância não se decompõe rapidamente

O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 11h31

LONDRES - Dois cidadãos britânicos estão internados em estado crítico depois de terem sido expostos a Novichok, o mesmo agente neurotóxico usado para envenenar um ex-espião russo e sua filha em março, informou o chefe de contra-terrorismo da Grã-Bretanha.

O que é Novichok?

O grupo Novichok de venenos foi desenvolvido pela União Soviética nos anos 1970 e 1980. É uma arma binária, composta por dois produtos químicos menos tóxicos que, quando misturados, reagem para produzir um veneno muito mais letal que o sarin ou o VX.

O embaixador da Rússia na Grã-Bretanha, Alexander Yakovenko, identificou o suposto veneno como Novichok A-234, derivado de uma versão anterior, conhecida como A-232.

+ Ataque a ex-espião russo custou R$ 37,32 milhões à polícia inglesa

O que a substância faz?

Agentes neurotóxicos como o Novichok perturbam e interrompem muitos dos processos essenciais do corpo humano, incluindo a respiração. Isso acontece pelo bloqueio de uma enzima chamada acetilcolinesterase, que regula os impulsos para os nervos e junções entre nervos e músculos.

O veneno pode causar paralisia, convulsões, vômitos e colapso parcial ou total das funções corporais. Em casos fatais, a morte pode ser causada por asfixia ou parada cardíaca. "As consequências da exposição a um agente neurotóxico incluem o risco de ataque cardíaco e danos ao cérebro devido à falta de oxigenação", disse o professor de toxicologia ambiental Alastair Hay, da Universidade de Leeds. "A respiração provavelmente será seriamente prejudicada, tanto pela falha da ação muscular normal como pela secreção de fluídos nos pulmões", acrescentou.

Onde as últimas vítimas foram encontradas?

O serviço de ambulância foi chamado às 9h15 GMT (5h15 em Brasília) no sábado 30 de junho para um endereço na Rua Muggleton, em Amesbury, 11 quilômetros ao norte de Salisbury, onde Serguei Skripal e sua filha, Yulia, foram encontrados envenenados em março.

No endereço de Amesbury, uma mulher de 44 anos havia entrado em colapso. Às 14h30 GMT (10h30 em Brasília), o serviço de ambulância foi chamado novamente ao mesmo endereço, onde um homem de 45 anos estava doente. Ambos estão em estado crítico no Hospital Distrital de Salisbury. Inicialmente, a hipótese era de que os pacientes haviam tido uma overdose de heroína ou crack, mas na segunda-feira 2, sugiram preocupações sobre seus sintomas e amostras foram enviadas para o laboratório militar de Porton Down.

Novichok confirmado?

Neil Basu, o mais antigo agente de contra-terrorismo da Grã-Bretanha, disse que as amostras apontaram que os pacientes, apelidados pela mídia britânica de Dawn Sturgess e Charlie Rowley, haviam sido expostos ao agente neurotóxico Novichok.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, acusou a Rússia de envenenar o ex-agente duplo Skripal e sua filha com Novichok. A Rússia negou as acusações repetidamente.

+ Rússia desconhece substância usada contra casal intoxicado e diz que caso é ‘preocupante'

Onde estão os Skripal?

Skripal e sua filha foram encontrados inconscientes em um banco, do lado de fora do shopping center The Maltings, em Salisbury, no dia 4 de março. Após semanas de tratamento no Hospital Distrital de Salisbury, Yulia recebeu alta em abril, e Serguei, em maio.

+ Ex-espião russo repassou informações a serviços de inteligência europeus

O que não se sabe?

Os envenenamentos são envoltos por mistério. Ainda não está claro o motivo para atacar um idoso russo que traiu seu país e foi parar na Grã-Bretanha por uma troca de agentes aprovada pelo Kremlin. Também não é evidente a lógica para usar um agente neurotóxico que tem ligação direta com o passado soviético da Rússia. Fontes de segurança britânicas sugeriram que o veneno pode ter sido escolhido para enviar um sinal aos oponentes do governo russo.

+ Relações diplomáticas entre EUA e Rússia: as expulsões de representantes ao longo dos anos

No entanto, autoridades russas disseram que se o Novichok tivesse sido utilizado em um ataque coordenado pelo Estado, milhares de pessoas teriam morrido em Salisbury, incluindo os Skripal.

Também não se sabe de onde veio o Novichok, quem o implantou e, após o envenenamento mais recente, quanto do veneno ainda resta em Salisbury e nos arredores.

Qual é o risco para a saúde pública?

Os chefes de saúde britânicos disseram que o risco para a população é baixo, mas repetiram o conselho dando anteriormente, quando os Skripal foram envenenados, de que as pessoas devem lavar suas roupas e limpar seus itens pessoais.

+ Autoridades britânicas alertam para áreas contaminadas com agente neurotóxico em Salisbury

No entanto, a natureza do grupo de agentes Novichok significa que a substância não se decompõe rapidamente. "Eles são projetados para ser bastante persistentes. Ficam no ambiente, não evaporam ou se decompõem rapidamente", disse a professora de química inorgânica Andrea Sella, da University College London (UCL).

"Enquanto o público em geral está sob um risco muito baixo, até que a fonte seja encontrada, existe uma chance remota de que alguma outra pessoa possa entrar em contato (com o Novichok)." A polícia isolou pelo menos cinco áreas diferentes, incluindo um parque e uma propriedade em Salisbury, além de uma farmácia e o centro comunitário da Igreja Batista de Amesbury. Apesar disso, os chefes de saúde disseram que o risco para o público é baixo. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.