REUTERS/Leonhard Foeger
REUTERS/Leonhard Foeger

Perguntas e Respostas: O sistema que ajuda europeus a burlar sanções americanas contra o Irã 

Instex é um mecanismo destinado a coordenar pagamentos de importação e exportação para que empresas europeias possam fazer negócios com os iranianos

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2019 | 21h16

1.Por que os europeus criaram o Instex?

As empresas que importam e exportam precisam ser pagas por meio dos bancos e as instituições financeiras estarão reticentes em contrariar as sanções dos EUA ao Irã. A Europa quer mostrar a Teerã que está empenhada em ajudar o país a lidar com as sanções – desde que o Irã esteja disposto a manter o acordo nuclear de 2015, que os europeus pensam ser a melhor maneira de conter as ambições nucleares do Irã e evitar conflitos.

2.O que ele é exatamente?

É um mecanismo destinado a coordenar os pagamentos de importação e exportação, para que as empresas europeias possam fazer negócios com o Irã diante da pressão dos EUA e Teerã possa obter produtos e receitas. Seus acionistas fundadores são a Alemanha, a França e o Reino Unido. Outros poderiam aderir. 

3.Como o Instex facilitaria o comércio?

Equilibraria os pagamentos por importações e exportações, agindo como um intermediário e reduzindo a necessidade de transações diretamente entre os sistemas financeiros europeus e iranianos. Os bancos que trabalham com empresas europeias estão hesitantes em aceitar quaisquer fundos originários do Irã, mesmo para o comércio humanitário, formalmente isento de sanções.

4.Como isso funciona na prática?

Digamos, por exemplo, que um exportador europeu queira vender medicamentos para uma empresa iraniana. O Instex registra a venda em um livro comercial e depois encontra um importador europeu que está comprando pistache do Irã. O Instex então aprova um pagamento do importador europeu de pistache para o exportador europeu de medicamentos. Isso significa que o remédio é pago, mas de um banco europeu para outro sem nenhum dinheiro do Irã. Enquanto isso, a contraparte do Instex no Irã coordena um pagamento semelhante do importador iraniano de remédios ao exportador iraniano de pistache. Os fundos permanecem no Irã. Todos foram pagos e nenhum banco europeu precisa se preocupar em receber dinheiro iraniano.

5.Isso cobre todos os bens, até mesmo o petróleo?

Os países que criaram o Instex disseram apenas que “estarão focados inicialmente nos setores mais essenciais para a população iraniana – como medicamentos, dispositivos médicos e produtos agroalimentares”. Isso evita um choque direto com a Casa Branca, já que as sanções dos EUA permitem o comércio de bens humanitários. Os países europeus que tinham isenções das sanções dos EUA para comprar petróleo pararam de adquirir o óleo bruto e as isenções foram agora retiradas por Trump em qualquer caso. Cornelius Adebahr, membro associado do Conselho Alemão de Relações Exteriores, disse que as empresas mais propensas a usar o sistema de pagamento são pequenas empresas com laços comerciais de longa data com o Oriente Médio e nenhum negócio com os EUA. 

6.Os EUA podem promover retaliações contra o uso do Instex?

Os países europeus criaram de fato um escudo diplomático em torno de empresas que tentam fazer negócios no Irã. Isso não elimina o risco de pressão dos EUA, mas analistas que escrevem para o Conselho Europeu de Relações Exteriores dizem que o envolvimento das três maiores economias da Europa aumenta os riscos para Washington, caso tente pressionar, assim como para o setor privado. / AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.