Cezaro de Luca/AP
Cezaro de Luca/AP

Perícia contratada por ex-mulher de Nisman aponta homicídio

Análise conclui que promotor argentino não estava embriagado e que seu corpo foi movido após a morte

RODRIGO CAVALHEIRO, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S. Paulo

05 de março de 2015 | 14h48

BUENOS AIRES - A perícia independente contratada pela ex-mulher do promotor Alberto Nisman, encontrado com um tiro na cabeça no dia 18 de janeiro, apontou nesta quinta-feira, 5, para um homicídio. O anúncio foi feito pela própria juíza Sandra Arroyo, com base em fotos e vídeos feitos pelos investigadores oficiais. "Descartamos a hipótese de suicídio e acidente", enfatizou.


A análise feita por alguns dos legistas mais conhecidos da Argentina concluiu ainda que Nisman não estava embriagado, seu corpo foi movido após a morte e o promotor agonizou (algo indicado pela ampla hemorragia externa detectada). Essas três conclusões, entre outras, reforçam a tese de um homicídio segundo a equipe independente de peritos.

A investigação conduzida pela promotora Viviana Fein tem apresentado indícios de suicídio ou suicídio induzido, embora ela saliente não descartar nenhuma hipótese.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.