Cezaro de Luca/AP
Cezaro de Luca/AP

Perícia contratada por ex-mulher de Nisman aponta homicídio

Análise conclui que promotor argentino não estava embriagado e que seu corpo foi movido após a morte

RODRIGO CAVALHEIRO, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S. Paulo

05 Março 2015 | 14h48

BUENOS AIRES - A perícia independente contratada pela ex-mulher do promotor Alberto Nisman, encontrado com um tiro na cabeça no dia 18 de janeiro, apontou nesta quinta-feira, 5, para um homicídio. O anúncio foi feito pela própria juíza Sandra Arroyo, com base em fotos e vídeos feitos pelos investigadores oficiais. "Descartamos a hipótese de suicídio e acidente", enfatizou.


A análise feita por alguns dos legistas mais conhecidos da Argentina concluiu ainda que Nisman não estava embriagado, seu corpo foi movido após a morte e o promotor agonizou (algo indicado pela ampla hemorragia externa detectada). Essas três conclusões, entre outras, reforçam a tese de um homicídio segundo a equipe independente de peritos.

A investigação conduzida pela promotora Viviana Fein tem apresentado indícios de suicídio ou suicídio induzido, embora ela saliente não descartar nenhuma hipótese.


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.