Perspectiva de derrota na Flórida não intimida Giuliani

Aperseverança com que Rudy Giuliani encantou milhões denorte-americanos na época dos atentados de 11 de setembro de2001 voltou a aparecer na terça-feira, quando o ex-prefeito deNova York saiu à caça dos últimos votos num restaurante judaicoda Flórida. "Vamos ganhar hoje e aí vamos conseguir a indicação", disseGiuliani, ignorando as pesquisas que o colocam apenas emterceiro lugar na primária republicana de terça-feira noEstado, atrás do senador John McCain e do ex-governador deMassachusetts Mitt Romney. Giuliani praticamente não fez campanha nos Estados que járealizaram a disputa até agora, preferindo investir tudo naFlórida. Uma derrota nesse Estado praticamente sepulta suacandidatura à Casa Branca, mas ele mantém a mesma aparênciaconfiante que marcou sua atuação como promotor contra o crimeorganizado, prefeito linha-dura contra a violência e ícone domomento mais trágico da história moderna dos EUA. Para justificar o otimismo, ele lembrou que "as pesquisas eprevisões andam erradas". "A pesquisa em New Hampshire davaBarack Obama batendo Hillary Clinton (na primária democrata), eaconteceu o contrário", disse ele. Giuliani aproveitou a fama heróica do 11 de Setembro paraganhar uma fortuna em palestras e lançar-se candidato à CasaBranca. Na terça-feira, ele apertou mãos, autografou bolas debeisebol e pediu café e cereais em vez de "bagels" (roscas) e"lox" (salmão defumado), enquanto conversava sobre política norestaurante Rascal House, na praia de Sunny Isles, nosarredores de Miami. (Reportagem adicional de Tom Brown em Delray Beach,Flórida)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.