Peru declara estado de emergência em município imerso no caos

O governo peruano declarou nesta sexta-feira estado deemergência na província de Chiclayo por causa de uma disputa pelopoder entre um prefeito afastado e seu sucessor, que mergulhou acidade no caos. O presidente peruano, Alan García, aprovou uma verba especialpara o pagamento de serviços, programas sociais e salários nomunicípio de Chiclayo, segundo um decreto de urgência publicado nodiário oficial. Além disso, conferiu a autoridade do município durante 60 dias aogovernador regional do departamento de Lambayeque, ao qual pertenceChiclayo, Guillermo Baca Aguinaga. Há dois meses, Chiclayo carece de um titular devido a uma disputaentre o prefeito Arturo Castillo, afastado do cargo pelo JuradoNacional de Eleições, e seu sucessor, José Barrueto. Apesar da decisão do principal órgão eleitoral, o TribunalConstitucional decidiu recolocar Castillo no posto, o que aguçou asdiferenças entre ambos os grupos políticos. A crise chegou ao ápice em 7 de setembro, quando as disputasentre ambos os grupos provocaram um incêndio no palácio municipal deChiclayo, destruindo-o totalmente. A falta de um conselho municipal deixou a cidade, uma das maisimportantes do norte do Peru, em meio ao caos, marcado pelainsegurança e pelo acúmulo de lixo nas ruas. Durante o período de emergência, os direitos relativos àliberdade e à segurança pessoais, à inviolabilidade do domicílio e àliberdade de passagem no território estarão suspensos. O governo peruano mantém o estado de emergência em outros trêsdepartamentos do centro e do sul do país - Ayacucho, Junín e Cuzco -devido à presença de colunas subversivas em associação com máfias donarcotráfico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.