Peru e Chile dão por superado conflito por limites

Os governos do Peru e Chile informaram na noite de segunda-feira que o conflito criado pela medida chilena que fixava unilateralmente os limites marítimos e territoriais entre os países, com a criação da região de Arica-Parinacota, foi superado.De acordo com a Chancelaria peruana, o presidente doPeru, Alan García falou por telefone com Michelle Bachelet e decidiram dar por superado o incidente diplomático.O texto ressalta ainda que os líderes reconhecem "a importância de manter a maior fluência e transparência na gestão da relação bilateral" e concordaram que os governos devem "adotar as medidas necessárias para que este tipo de situação não ocorra no futuro".O governo chileno também emitiu um comunicado. Segundo a nota, Bachelet e García "reafirmaram seu compromisso e vontade política de continuar avançando rumo à construção de uma relação estável".A nova demarcação, declarada na sexta-feira "inconstitucional" pelo Tribunal Constitucional chileno, representava para o Peru uma perda de 19 a 35 mil metros quadrados de território.Limites marítimosNa segunda-feira, o ministro de Relações Exteriores peruano, José Antonio García Belaúnde, insistiu na necessidade de definir os limites marítimos com o Chile e afirmar que o problema não está resolvido."Os limites terrestres estão definidos pelo tratado de 1929", mas "os limites marítimos não", comentou García Belaúnde em declarações à estatal TV Peru.Para o chanceler, as divergências com o Chile, que vêm do fim do século XIX, quando o Peru perdeu a Guerra do Pacífico, devem ser tratadas com prudência.O Chile considera que os limites marítimos estão definidos por dois tratados assinados nos anos 50. Mas o Peru argumenta que os acordos só se referem à pesca."Apesar da presença de forças e personagens que querem pôr pedras no caminho, a vontade do governo do Chile esteve acima dessa situação e é a de continuar as boas relações" com o Peru, disse o primeiro-ministro peruano, Jorge del Castillo, segundo a agência oficial Andina.Já o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado chileno, Roberto Muñoz Barra, negou que exista em seu país uma "mão negra" que pretenda turvar as relações bilaterais com o Peru. "Não existe uma disposição nesse sentido", acrescentou, em declarações à TV Peru.Este é o primeiro desencontro diplomático entre o Peru e o Chile desde que o social-democrata Alan García assumiu a presidência, em julho do ano passado, e anunciou uma aproximação com o país vizinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.