Peru: governo diz que libertará sequestrados em Cuzco

O governo peruano disse nesta terça-feira que está tomando as "ações necessárias" para libertar os trabalhadores que foram sequestrados ontem na província de La Convención, no departamento (equivalente a Estado) de Cuzco, e que supostamente estão cativos de um grupo dissidente dos insurgentes do Sendero Luminoso. Na noite de ontem, o governo confirmou que os trabalhadores foram sequestrados no campo de extração de gás natural de Camisea.

AE, Agência Estado

10 de abril de 2012 | 15h51

O ministério não informou quantos foram sequestrados, embora jornais locais tenham informado que 30 foram tomados reféns inicialmente, embora 23 tenham sido libertados mais tarde. Acredita-se que os trabalhadores sequestrados trabalhem para a Skanska, uma empresa sueca, bem como para outras empresas que atuam no campo de Camisea. Nesta terça-feira, a governadora da província de La Convención, Fedia Castro Melgarejo, disse à rádio RPP que nenhum trabalhador foi libertado.

A principal operadora do campo de gás natural de Camisea é a Peru Pluspetrol Corp., com a participação de outras petrolíferas como a norte-americana Hunt Oil Co., a SK Holdings Co. da Coreia do Sul, a Tecpetrol do grupo Techint da Argentina, a Sonatrach Petroleum da Argélia, e a hispano argentina Repsol YPF.

O Sendero Luminoso foi fundado em 1980 por intelectuais maoistas, logo após o fim da ditadura do general Alvarado no Peru, e conduziu uma guerra sangrenta contra o Estado peruano que deixou 70 mil mortos. O grupo maoista começou a ser desmantelado em 1992 com a captura do seu líder, o ex-professor de filosofia Abimael Guzmán, o camarada Gonzalo, que atualmente cumpre pena de prisão perpétua em Callao, perto de Lima. O Sendero então se refugiu no interior do país e ainda subsiste em pequenos grupos que dão apoio ao narcotráfico. Acredita-se que atualmente o Sendero, que chegou a ter milhares de combatentes na década de 1980, tenha apenas 300 homens armados que operam nas regiões produtoras de coca.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.