Peru justifica acidente com avião de missionários americanos

A Força Aérea do Peru disse hoje que a decisão de disparar contra a aeronave procedente do Brasil em que viajavam missionários norte-americanos, foi um ?último recurso?, porque o piloto não se identificou. A aeronave foi abatida por um avião militar peruano sobre uma zona de selva, informou nesta sexta-feira a Embaixada dos Estados Unidos em Lima. De acordo com informações da Força Aérea do Peru, a entrada da aeronave americana no espaço aéreo peruano foi registrada às 10h05 (hora local) pelo Sistema de Vigilância e Controle do Espaço Aéreo, operado de forma conjunta com os Estados Unidos, um convênio fechado entre os dois países na luta contra o narcotráfico."Aparentemente o piloto peruano confundiu o aparelho com algum avião carregado de drogas", disse à Associated Press o porta-voz da missão diplomática norte-americana, Benjamin Ziff.Assim que a aeronave ?não identificada e sem plano de vôo? foi identificada pela Força Aérea do Peru, foram efetuados os procedimentos internacionais de identificação e interceptação. O avião da FAP ?disparou como último recurso, para obrigar o piloto a aterrissar?. A aeronave pousou no Rio Amazonas, em uma zona de selva, no departamento de Loreto. De acordo com um comunicado da Força Aérea do Peru, duas pessoas morreram no acidente, Monica Ronny Power, de 35 anos, e sua filha de 7 meses, Caridad Power; e três ficaram feridas, incluindo o piloto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.