Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Peru liberta americana presa em 1995 por colaborar com grupo terrorista

Lori Berenson havia sido condenada por planejar tomar o Congresso com bando rebelde

Agência Estado e Associated Press

26 Maio 2010 | 14h35

LIMA - Um tribunal concedeu liberdade condicional na terça-feira, 26, à americana Lori Berenson, após 15 anos de prisão por colaboração com o terrorismo. A resolução judicial da magistrada Jessica León ocorreu no bairro de Chorrillos, em Lima, onde a norte-americana cumpre pena.

 

Lori, de 40 anos, havia sido presa em 1995, acusada de colaborar com o grupo rebelde Movimento Revolucionário Tupac Amaru (MRTA) em seus planos de tomar o Congresso. Agora, ela cumprirá em liberdade condicional os cinco anos que restam de sua pena.

 

Durante a condicional, Lori não poderá sair do país nem possuir armas. Ela disse que pretende ganhar a vida fazendo traduções. A defesa pediu a liberdade condicional alegando que ela "reconhece que cometeu erros ao envolver-se nas atividades do grupo MRTA".

 

Lori foi condenada em 1996 à prisão perpétua por terrorismo. Em 2001, porém, um tribunal civil mudou a sentença para 20 anos de prisão por colaboração com a insurgência, após um novo processo.

Mais conteúdo sobre:
Peru libertação americana terrorismo Lori MRTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.