Peru ordena fechamento da fronteira com o Equador

O presidente do Peru, Alan García, anunciou hoje à tarde o fechamento da fronteira de seu país com o Equador e disse que todo o comércio bilateral ficará suspenso até que a ordem seja restaurada na nação vizinha. A declaração de García, divulgada pelo palácio presidencial peruano, veio à tona pouco depois de o Equador ter decretado estado de emergência por conta de um amotinamento de policiais e militares insatisfeitos com planos governamentais de cortes de benefícios.

AE, Agência Estado

30 de setembro de 2010 | 17h41

Policiais e militares da Força Aérea equatoriana entraram em greve hoje e começaram os protestos contra o governo após o Congresso ter aprovado uma lei que pode afetar os benefícios a policiais e militares. As manifestações rapidamente se alastraram para outras regiões do país, levando a bloqueios nas rodovias, tumultos, saques nos supermercados e roubos a bancos.

O presidente do Equador, Rafael Correa, disse que os protestos são uma tentativa da oposição de desestabilizar o seu governo. Ele afirmou que uma tentativa de golpe de Estado está em curso. Correa deu as declarações de um hospital, para onde foi levado após ter inalado gás lacrimogêneo enquanto tentava falar com policiais em greve. Logo após os comentários dele, o governo equatoriano declarou estado de emergência. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.