Peru: Paniagua denuncia complô contra democracia

O presidente do Peru, Valentín Paniagua, denunciou na noite de ontem em pronunciamento oficial para todo o país ?uma conspiração franca e aberta contra o processo de democratização em curso?. Ele afirmou que todas as supostas denúncias são apenas uma manobra política. Paniagua também negou enfaticamente, qualificando como uma ?infâmia?, a acusação de haver recebido dinheiro para sua campanha eleitoral de um emissário de Vladimiro Montesinos. ?Recuso esta infâmia que desde já não poderá ser provada jamais porque é totalmente falsa e creio que é, sem dúvida, uma tentativa clara de desestabilização do regime democrático e constitucional?, disse em cadeia nacional de rádio e televisão. ?Nem esta, nem outra manobra impedirá que o povo supere esta etapa de corrupção e destruição da democracia e deturpação da verdade que imperou nos últimos dez anos?, declarou referindo-se ao governo do ex-presidente Alberto Fujimori. A mensagem do presidente foi em reação à acusação de um agente de segurança do ex-assessor presidencial Vladimiro Montesinos que Paniágua teria recebido dinheiro para sua campanha política em 2000. Segundo a denúncia, o mandatário teria recebido o dinheiro de Victor Alberto Venero, homem de confiança de Montesinos.Em suas declarações, o braço direito de Montesinos também disse que Paniagua tem vínculos comerciais, políticos e até relações de parentesco com Venero. Além disso, ele também afirmou que o atual ministro do Interior, Antonio Ketín Vidal, já trabalhou com Montesinos no Serviço de Inteligência Nacional. ?Jamais houve relação política, profissional ou de nenhuma natureza com estas pessoas e não tenho nenhuma vinculação de parentesco tão pouco. Portanto, não há relação que poderia justificar proximidade ou, muito menos, razões que para uma suposta cooperação em minha campanha parlamentar?, enfatizou o chefe de Estado. O ex-assessor de Fujimori é acusado, entre outras coisas, de ter subornado um congressista de oposição a passar para a bancada governista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.