Peru: pesquisas dão vantagem de 7 a 11 pontos a García

As últimas pesquisas de intenções de voto para as eleições presidenciais do domingo no Peru dão uma vantagem de 7 a 11 pontos ao candidato social-democrata Alan García sobre seu rival, o nacionalista Ollanta Humala.A Companhia Peruana de Pesquisa e Mercado (CPI), o Grupo de Opinião Pública (GOP) da Universidade de Lima e a empresa de consultoria Apoyo divulgaram nesta sexta-feira à imprensa estrangeira em Lima os resultados de enquetes realizadas esta semana em todo o país, com uma margem de erro de 2%.O estudo da CPI, concluído ontem e que dá ao primeiro colocado uma vantagem mais apertada, indica que o ex-presidente García (1985-90) contaria com 53,8% dos votos válidos, contra 46,2% do ex-comandante.O diretor da empresa, Manuel Saavedra, disse que os indecisos são calculados em 6,4%.Saavedra acrescentou que pode haver três diferentes cenários no segundo turno do domingo, sendo que em um deles pode haver "uma diferença apertada entre os candidatos".Já a pesquisa da Universidade de Lima, que aponta para uma maior diferença entre os oponentes, dá a García 55,9% das intenções de votos válidos, contra 44,1% do candidato da legenda nacionalista União pelo Peru (UPP).Segundo essa pesquisa, o dirigente do Partido Aprista Peruano (PAP) conta com 47,9% do total dos votos, frente a 37,8% de Humala. Segundo o estudo concluído nesta quarta-feira, 14,3% votarão em branco ou nulo, e há 3,5% de "votos ocultos" (pessoas que não revelam suas preferências eleitorais).O diretor dessa pesquisa, Luis Benavente, disse que o chamado voto oculto pode "ser maior" e "com chance" de pender para Ollanta Humala nos dois dias anteriores ao pleito.Por sua vez, a empresa de consultoria Apoyo, a única das três firmas a conduzir uma simulação de votação, disse que o dirigente aprista conta com 57% das intenções de votos válidos, contra 47% do ex-comandante Humala.No resultado sobre a totalidade de votos, o estudo, feito nos dias 30 e 31 de maio, indica que García tem 46% de apoio popular, 6 pontos percentuais a mais que seu oponente político, enquanto os votos brancos e nulos chegam aos 14%.O diretor da Apoyo, Alfredo Torres, ressaltou que não se deve confiar totalmente nas enquetes porque, na sua opinião, "o clima político está mais carregado e polarizado" neste segundo turno eleitoral.No primeiro turno das eleições presidenciais Peruanas, em 9 de abril, Humala obteve 30% dos votos, contra 24% de García.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.